17:39 19 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Financista bilionário George Soros (foto de arquivo)

    Soros alerta: se União Europeia não acordar, pode ter o mesmo fim da União Soviética

    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Europa
    URL curta
    10310

    A "maioria adormecida pró-Europa" deve "acordar" antes que a União Europeia (UE) siga o caminho da União Soviética, alertou o bilionário George Soros, acrescentando que os partidos políticos da Europa devem priorizar os interesses do bloco.

    Os partidos políticos pró-UE devem obter apoio antes das eleições cruciais do Parlamento Europeu em maio, escreveu o empresário húngaro-americano e influente controverso em editorial publicado pelo site Project Syndicate.

    O bloco está "sonambulando no esquecimento" e poderá em breve encontrar o mesmo fim que a União Soviética, profetizou Soros. Para evitar a catástrofe, argumentou, os partidos políticos de mentalidade correta devem resistir ao fascínio do ceticismo da UE em todo o continente e "colocar os interesses da Europa à frente dos seus".

    Ele criticou ainda a coalizão governista da Alemanha por não ser propriamente pró-EU, diante do medo de perder votos para os direitistas da Alternativa para a Alemanha (AfD), enquanto elogiou os Verdes alemães por ser "o único partido consistentemente pró-europeu no país".

    Franco oponente do Brexit, Soros sugeriu que não era tarde demais para o Reino Unido realizar outro referendo, "ou, melhor ainda, por revogar a notificação do Artigo 50 da Grã-Bretanha" — defesa que parece colidir com a autodeclarada afinidade de Soros pela democracia.

    No Reino Unido, o bilionário foi duramente criticado por ter pago 800 mil libras esterlinas (US$ 1.062.000) a campanhas pró-UE, incluindo 400.000 libras ao Best for Britain (Melhor para Grã-Bretenha), um grupo de campanha que esteve na vanguarda do ativismo anti-Brexit.

    Sobre o tema da Itália, Soros repreendeu a UE por "impor rigorosamente" um acordo "que injustamente sobrecarrega países como a Itália, onde os migrantes entram pela primeira vez na UE". Como resultado, o afluxo maciço de migrantes para a Europa transformou a outrora pró-UE Itália em um bastião do populismo, Soros lamentou.

    Curiosamente, ele deixou de mencionar que é um dos principais defensores da política de migrantes de portas abertas da UE — uma política que é diretamente responsável pela inundação da Itália por requerentes de asilo.

    Dirigindo-se ao arquiinimigo de Soros — o governo húngaro do primeiro-ministro Viktor Orban — o empresário bilionário disse que as alianças transeuropeias devem mostrar mais força e não ser "ditadas pelo interesse próprio dos líderes partidários".

    Ele argumentou que o Partido Popular Europeu (PPE) é "o pior infrator" a esse respeito, porque continua concedendo a filiação ao partido Fidesz de Orban, supostamente "para preservar sua maioria e controlar a alocação de empregos de alto nível na UE".

    Soros tem sido repetidamente acusado por Orban de usar sua riqueza para impulsionar políticas pró-migrantes na Hungria conservadora e anti-imigração e em grande parte do mundo ocidental.

    "Soros antagonizou não só a nós, mas também a Inglaterra, o presidente [dos EUA Donald] Trump e Israel também", disse Orban em fevereiro. "Em todo lugar ele quer que a migração seja aceita. Não vai funcionar. Nós não estamos sozinhos e vamos lutar juntos […] e vamos conseguir".

    A Hungria chegou a aprovar uma lei intitulada Stop Soros (Pare Soros), que visa punir aqueles que prestam assistência a imigrantes que tentam entrar ilegalmente no país da Europa central.

    Se os líderes políticos da Europa falharem em erradicar o surgimento de partidos políticos populistas dentro do bloco, "o sonho de uma Europa unida poderia se tornar o pesadelo do século 21", escreveu Soros ao final do seu texto.

    Infelizmente, Soros não explica por que ele acredita que a vontade democrática dos europeus representa uma ameaça assustadora à sua grande visão de uma Europa "unida".

    Mais:

    Soros: Washington e Pequim estão em 'guerra fria que em breve poderá se tornar quente'
    Deputado republicano acusa Soros de trair 'colegas judeus'
    Erdogan acusa Soros de usar riquezas para 'dividir e destruir nações'
    Tags:
    diplomacia, globalização, nacionalismo, crise migratória, brexit, política, Alternativa para a Alemanha (AfD), União Europeia, Viktor Orban, George Soros, União Soviética, URSS, Hungria, Itália, Alemanha, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar