07:27 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Prisioneiros do campo de concentração Crveni Krst, na cidade sérvia de Nis

    Fuzilamentos às terças e sextas: faz 77 anos da 1ª fuga de campo de concentração

    © Foto / Sergei Glushenko / Centro Memorial
    Europa
    URL curta
    350
    Nos siga no

    Hoje (12), na cidade sérvia de Nis decorreram eventos fúnebres em honra do 77º aniversário da revolta no campo de concentração Crveni Krst, em resultado da qual um grupo de prisioneiros conseguiu fugir do fuzilamento inevitável e se juntar aos guerrilheiros.

    Inicialmente, em 9 de abril de 1941, os alemães organizaram em armazéns e casernas localizadas na zona industrial de Nis um campo de prisioneiros de guerra. Porém, o fluxo de prisioneiros se esgotou rapidamente, principalmente devido aos fuzilamentos em massa. Segundo os dados do escritor Venceslav Glisic, por cada soldado da Wehrmacht morto eram fuzilados 100 prisioneiros sérvios "a título de represália" e por cada soldado ferido — 50 prisioneiros sérvios.

    Depois do ataque contra a União Soviética, desde fins de junho de 1941, Crveni Krst foi transformado em uma prisão, e em setembro — em campo de concentração, onde mantinham detidos judeus, ciganos e outros "inimigos do Reich".

    Em 1944, antes da libertação do campo, os alemães destruíram a maior parte dos documentos, por isso o número de vítimas varia de 30 a 40 milhares de cativos durante 3,5 anos, 10 mil dos quais foram fuzilados na colina vizinha de Bubanj.

    Segundo o historiador sérvio Aleksandar Dindic, os prisioneiros foram divididos em cinco categorias: prisioneiros de guerra, judeus, guerrilheiros, chetniks (organização paramilitar nacionalista sérvia) e estrangeiros. Entretanto, os representantes do primeiro e do quinto grupos não se distinguiam quanto à probabilidade de serem fuzilados na colina de Bubanj, sendo todos considerados pelos nazistas como pessoas de "quinta categoria".

    Evento memorial Rostos do Campo na cidade sérvia de Nis
    © Foto / Sergei Glushenko / Centro Memorial
    Evento memorial "Rostos do Campo" na cidade sérvia de Nis

    O campo de concentração tinha um modo de funcionamento especial, afirmou o curador do memorial aberto no local do campo de Crveni Krst, Nebojsa Ozimic. Por exemplo, um pai podia libertar seu filho ocupando voluntariamente o seu lugar. Havia celas solitárias com o chão frio coberto de arame farpado em que os prisioneiros não conseguiam sentar ou deitar, a privação de sono fazia com que os prisioneiros enlouquecessem.

    Ozimic assinalou que os fuzilamentos em massa decorriam de acordo com um horário: às terças e sextas. Mas em 12 de fevereiro de 1942, uma quinta-feira, um grupo de prisioneiros decidiu não esperar pela sexta-feira, que poderia se tornar sua última, e fugiram.

    Os prisioneiros decidiram fugir na noite de quinta-feira, na véspera do fuzilamento. Mas os nazistas tomaram conhecimento do plano e bloquearam o portão e os cativos se correram para a liberdade diretamente através do arame farpado. Dos 147 participantes da fuga 105 conseguiram se libertar e se incorporar em destacamentos de guerrilheiros, 42 pessoas foram mortas.

    "A neve no pátio ficou vermelha de sangue. A vedação de três camadas de arame farpado ficou despedaçada em vários lugares como em um campo de batalha. A seguir eles [nazistas] levaram um grupo de judeus com pás e enxadas para escavar buracos nos quais depois do almoço foram enterrados os mortos", comentou a testemunha dos acontecimentos.

    Segundo o interlocutor da Sputnik Sérvia, esta foi primeira revolta em um campo de concentração em toda a Europa ocupada. A coragem das pessoas desarmadas e esgotadas que decidiram alcançar a liberdade por qualquer meio ou morrer custou muito caro para os outros prisioneiros. Depois da fuga em massa no campo de concentração foram fuziladas cerca de 1.000 pessoas, ou seja, 100 mortos por cada fugitivo.

    Em 12 de fevereiro, na cidade de Nis se comemora o Dia da Memória das vítimas do nazismo. Em 1969, no local do campo de concentração foi aberto o Memorial "12 de fevereiro".

    Mais:

    Supostos quadros de Hitler não encontram compradores em leilão
    Encontrado submarino da 'frota perdida' de Hitler da 2ª Guerra Mundial (VÍDEO)
    Teoria da conspiração sobre nazista braço direito de Hitler é desmentida (FOTOS)
    Tags:
    mortos, nazistas, campo de concentração, fuzilamento, fuga, prisioneiros, Sérvia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar