01:38 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, fala à mídia.

    'Soros quer assumir as instituições europeias', critica o primeiro-ministro da Hungria

    © AP Photo / Ronald Zak
    Europa
    URL curta
    340
    Nos siga no

    A decisão da Comissão Europeia (CE) de atacar a lei contrária aos imigrantes da Hungria é apenas um teatro político destinado a apaziguar o milionário e ativista político George Soros, sugeriu o primeiro-ministro húngaro Viktor Orban.

    Lançado contra a legislação controversa que criminaliza a organização e facilitação da migração ilegal para o país, o processo da UE é uma "sessão tipo George Soros, uma manifestação eleitoral, um evento de campanha", disse Orban em entrevista à estação de rádio nacional da Hungria.

    Ele acusou Frans Timmermans, que atualmente é o primeiro vice-presidente da Comissão Europeia, de ser "o homem de Soros", acrescentando que o empresário húngaro-americano — insultado por Orban — está "aberto a querer assumir as instituições europeias".

    A Comissão Europeia emitiu uma orientação sobre a legislação, conhecida como a lei Pare Soros, ao governo húngaro na semana passada, alegando que o projeto dificulta aqueles que desejam legalmente buscar asilo na Hungria. Se Budapeste não rever a lei dentro dos próximos dois meses, a comissão poderá levar o caso ao Tribunal de Justiça da UE.

    Soros tem sido repetidamente acusado por Orban de usar sua vasta riqueza para impulsionar políticas liberais e pró-migrantes na Hungria conservadora e anti-imigração e no resto do mundo ocidental.

    "Soros antagonizou não só a nós, mas também a Inglaterra, o presidente [dos EUA Donald] Trump e Israel também", afirmou Orban em fevereiro. "Em todo lugar ele quer que a migração seja aceita. Não vai funcionar. Nós não estamos sozinhos e vamos lutar juntos […] e vamos conseguir".

    Orban está longe de ser o único político húngaro a ver Soros como uma ameaça. O parlamentar húngaro Andras Aradszki, do Partido Democrático Cristão (KDNP), uma vez notoriamente descreveu o chamado de Soros à Europa para levar os requerentes de asilo da África e do Oriente Médio ao "plano satânico de Soros".

    Aradszki declarou que era dever de todos os cristãos se oporem a Soros, argumentando que o bilionário e seus seguidores "querem destruir a independência e os valores dos Estados-nação".

    Mais:

    Aliado de Bolsonaro, líder da Hungria promete 'combater' Macron na UE
    Erdogan acusa Soros de usar riquezas para 'dividir e destruir nações'
    Soros está preparando EUA para Guerra Fria contra China, opina analista
    Tags:
    diplomacia, política, direita, crise de imigrantes, União Europeia, Comissão Europeia, Andras Aradszki, George Soros, Viktor Orban, Europa, Hungria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar