13:59 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    A bandeira russa tremula em frente à embaixada da Rússia em Londres, no Reino Unido.

    Reino Unido trata Venezuela de forma 'cínica', diz embaixada russa em Londres

    © Sputnik / Alex McNaughton
    Europa
    URL curta
    Crise política na Venezuela se agrava (163)
    551
    Nos siga no

    O Reino Unido mantém uma atitude cínica a respeito da situação na Venezuela ao decidir pelos venezuelanos o futuro do país, denuncia um porta-voz da embaixada russa em Londres.

    "Quanto ao enfoque do Reino Unido, parece especialmente cínico, já que Londres que fala da necessidade de eleições, na verdade tomou a decisão pelos cidadãos do país [sul-americano], ao declarar [o presidente venezuelano Nicolás] Maduro ilegítimo e ao dizer que o [o líder da oposição Juan] Guaidó é o homem que pode levar a Venezuela adiante", disse a repórteres o porta-voz da embaixada russa em Londres.

    O diplomata russo ressaltou que o exemplo de países como a Síria ou a Líbia "mostra muito bem ao que pode levar essa retórica, tanto para as nações em questão quanto para a reputação da diplomacia britânica".

    O porta-voz reiterou que a Rússia rechaça qualquer intervenção externa na Venezuela e sustenta que o direito de decidir o futuro do país cabe aos venezuelanos.

    "Declarar 'ilegítimo' a um presidente em atividade e ameaçar reconhecer como chefe de Estado um outro indivíduo constitui uma ingerência descarada nos assuntos internos e uma flagrante violação do direito internacional", completou o porta-voz.

    A Rússia oficialmente afirmou que está "disposta a colaborar com todos os atores da comunidade internacional que compartilham de nossa convicção de que se deve buscar um acordo entre as forças políticas distintas da Venezuela".

    O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Jeremy Hunt, declarou anteriormente que Maduro é um presidente "ilegítimo" e que agora Guaidó deve dirigir o país.

    No sábado (26), o Reino Unido se somou ao ultimato dado por Alemanha, França e Espanha contra o governo da Venezuela, ameaçando reconhecer Guaidó como presidente interino do país caso novas eleições não fossem convocadas dentro de um prazo de oito dias.

    Tema:
    Crise política na Venezuela se agrava (163)

    Mais:

    Austrália reconhece Guaidó como presidente interino na Venezuela
    Guaidó diz querer 'aumentar a pressão' sobre Maduro e não causar conflitos na Venezuela
    Bolton sobre Venezuela: 'Violência contra diplomatas dos EUA terá resposta significativa'
    Netanyahu: Israel reconhece Guaidó como novo líder da Venezuela
    Tags:
    crise na venezuela, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Jeremy Hunt, Reino Unido, Londres, Rússia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar