17:42 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Escritório da Huawei na Polônia.

    Polônia prende chinês executivo Huawei por acusação de espionagem

    © REUTERS / Kacper Pempel
    Europa
    URL curta
    17318
    Nos siga no

    A agência de contra-espionagem da Polônia prendeu um gerente chinês da gigante de tecnologia Huawei e um ex-funcionário do próprio sistema de espionagem polonês. Eles são acusados de espionagem em favor da China, segundo reportagem da televisão estatal da Polônia publicada nesta sexta-feira (11).

    Os dois homens foram presos na terça-feira, segundo a Agência de Segurança Interna. Agentes de segurança poloneses também vasculharam os escritórios de Varsóvia da Huawei e a companhia Orange, o principal provedor de comunicações da Polônia, onde o antigo espião polonês havia trabalhado recentemente, confiscando documentos e dados eletrônicos. As casas de ambos os homens também foram revistadas, de acordo com a TVP, a emissora estatal.

    O incidente ocorre quando os EUA estão exercendo pressão sobre seus aliados para bloquear a Huawei, maior fabricante mundial de equipamentos para redes de telecomunicações.

    Uma disputa dos EUA com a China sobre a proibição da Huawei está transbordando para a Europa, o maior mercado estrangeiro da empresa. A companhia é líder no desenvolvimento de redes móveis 5G de próxima geração e um participante importante na construção delas na Europa, mas alguns países estão começando a reconsiderar o uso do equipamento da Huawei alegando preocupações com a segurança de dados.

    Alguns governos europeus e empresas de telecomunicações estão seguindo o exemplo dos EUA em questionar se o uso da Huawei para infraestruturas vitais para redes móveis poderia deixá-los expostos a espionagem pelo governo chinês.

    Maciej Wasik, vice-chefe do serviço especial da Polônia, disse que a operação que resultou na prisão dos dois suspeitos está em andamento há muito tempo. Ele disse que "ambos realizaram atividades de espionagem contra a Polônia".

    A TVP disse que os suspeitos afirmam ser inocentes e não pretendem dar depoimentos.

    A TVP, que é próxima do governo, identificou o homem chinês preso como Weijing W., dizendo que ele era diretor da Huawei na Polônia. A emissora disse que o homem também usou o primeiro nome polonês de Stanislaw e trabalhou anteriormente no consulado chinês em Gdansk.

    Um perfil do Linkedin para um homem chamado Stanislaw Wang parece coincidir com detalhes do homem descrito pela televisão polonesa.

    O currículo de Wang na rede social aponta que ele trabalhou no Consulado Geral da China em Gdansk de 2006 a 2011 e na Huawei desde 2011, onde foi o primeiro diretor de relações públicas e desde 2017 é o "diretor de vendas do setor público". Ainda de acordo com Linkedin, ele teria um diploma de bacharel da Universidade de Estudos Estrangeiros de Pequim.

    A TV estatal identificou o polonês como Piotr D. e disse que ele era um funcionário de alto escalão da Agência de Segurança Interna até 2011, onde atuou como vice-diretor do departamento de segurança da informação.

    Se condenados, os homens podem pegar até 10 anos de prisão, disse a agência de segurança.

    A Huawei divulgou um comunicado do seu quartel-general chinês dizendo que estava ciente da situação e estava investigando a situação.

    "Não temos comentários no momento. A Huawei está em conformidade com todas as leis e regulamentações aplicáveis ​​nos países em que opera e exigimos que todos os funcionários cumpram as leis e regulamentos dos países onde estão sediados", continuou.

    Um funcionário da embaixada chinesa em Varsóvia disse que a China atribui "grande importância" ao episódio e que enviados chineses se reuniram com autoridades do Ministério das Relações Exteriores da Polônia para discutir o assunto. A porta-voz, que falou em condição de anonimato, disse que a China pediu que a Polônia "informe a China sobre a situação deste caso e organize uma visita consular o mais rápido possível".

    As tensões geopolíticas envolvendo a Huawei intensificaram-se depois que sua diretora financeira, que é a filha do fundador da empresa, Ren Zhengfei, foi presa no dia 1º de dezembro no Canadá em conexão com as acusações dos EUA de que a empresa violou restrições às vendas de tecnologia americana ao Irã.

    Os Estados Unidos querem que Meng Wanzhou seja extraditada para enfrentar acusações de que ela enganou os bancos sobre os negócios da empresa no Irã. Ela responde ao processo em liberdade no Canadá após pagar fiança e aguarda o processo de extradição.

    A Huawei foi bloqueada nos EUA desde 2012, quando um relatório do Comitê de Inteligência da Câmara a apontou como um risco à segurança e recomendou que o governo e as empresas privadas parassem de comprar seus equipamentos.

    Mais:

    Polícia de Vancouver comenta invasão de propriedade de vice-presidente da Huawei
    Chancelaria chinesa convoca embaixador dos EUA por detenção de executiva da Huawei
    Chancelaria da China convoca embaixador canadense após prisão de diretora da Huawei
    Tags:
    Huawei, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar