16:59 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira da Coreia do Norte exposta na embaixada do país em Kuala Lumpur, na Malásia

    Deserção: diplomata norte-coreano desaparece na Itália por suposta busca de asilo

    © AP Photo / Vincent Thian
    Europa
    URL curta
    432

    Um diplomata norte-coreano que até recentemente atuava como embaixador na Itália desapareceu, disse um membro do Parlamento sul-coreano nesta quinta-feira, depois que um jornal sul-coreano informou que ele procurava asilo no Ocidente.

    O diplomata, de 48 anos, Jo Song Gil, desapareceu com sua esposa depois de deixar a embaixada sem aviso prévio no início de novembro, segundo Kim Min-ki, um parlamentar sul-coreano que foi informado pelo Serviço Nacional de Inteligência.

    Mais cedo na quinta-feira, o jornal JoongAng Ilbo, citando uma fonte diplomática não identificada, disse que Jo havia pedido asilo para um país ocidental não especificado e estava em um "lugar seguro" com sua família sob a proteção do governo italiano.

    Uma fonte diplomática sênior em Roma disse que o Ministério de Relações Exteriores da Itália não sabia nada sobre as reportagens. Uma segunda fonte diplomática disse que o ministério não tinha registro de Jo pedindo asilo na Itália. A fonte acrescentou que a Coreia do Norte anunciou no final de 2018 que enviaria um novo representante para Roma.

    "Foi um procedimento perfeitamente normal", pontuou a fonte.

    Kim disse aos repórteres que ele tinha algumas informações sobre o caso, mas não pôde discuti-lo. "Eles deixaram a missão diplomática e desapareceram", comentou o parlamentar sul-coreano, referindo-se a Jo e sua família.

    Definições

    Se confirmado, Jo se juntaria a uma lista crescente de diplomatas veteranos que procuraram fugir de Pyongyang e do líder norte-coreano Kim Jong-un.

    Em agosto de 2016, Thae Yong Ho, o então vice-embaixador do Reino Unido na Grã-Bretanha, desertou com sua família para a Coreia do Sul, tornando-se o diplomata de mais alta hierarquia a fazê-lo.

    Thae disse na quinta-feira que Jo, cujo pai era um diplomata, veio de uma família rica, informou o canal de notícias sul-coreano Channel A.

    Embora o pai de Jo tenha morrido cedo, Thae trabalhou com seu sogro, Ri To Sop, que também era diplomata no Ministério de Relações Exteriores. Ri estava encarregado do protocolo para eventos com a presença do pai e do avô do líder norte-coreano Kim Jong-un.

    Jo morava no "apartamento mais bonito" de Pyongyang e sua mulher também se formou em uma faculdade de medicina na capital, disse Thae.

    A última vez que Thae viu Jo, antes de estar na Grã-Bretanha em 2013, teve um filho e ele sabe que ele trouxe a criança consigo quando foi despachado para a Itália.

    Ele acrescentou que Jo estudou na Itália de 2006 a 2009 e era altamente possível que ele estivesse envolvido no contrabando de artigos de luxo para a elite norte-coreana, uma tarefa fundamental para os diplomatas de lá.

    Jo assumiu o cargo de enviado em outubro de 2017, depois que a Itália expulsou o então embaixador Mun Jong Nam em protesto contra os testes de mísseis nucleares e de longo alcance da Coreia do Norte, desafiando as sanções do Conselho de Segurança da ONU.

    A temporada de Jo começou em maio de 2015 e estava prevista para o final de novembro, disse o legislador Kim.

    Uma fonte familiarizada com o assunto, que pediu para permanecer sem nome para falar sobre uma questão política sensível, disse à Agência Reuters que Jo foi oficialmente substituído como embaixador interino de Kim Chon no final de novembro. A fonte não pôde confirmar o relatório JoongAng Ilbo ou se Jo ainda estava na Itália.

    A Casa Azul, sede do governo da Coreia do Sul, disse na quinta-feira que não tem conhecimento do assunto.

    A Itália disse em um relatório apresentado a um painel da ONU que monitora a aplicação de sanções em novembro de 2017 que quatro diplomatas foram colocados na embaixada norte-coreana, listando o enviado como primeiro-secretário.

    O JoongAng Ilbo disse que Jo estava com sua esposa e filhos. Citando um especialista não identificado, ele disse que era conhecido como filho ou genro de um alto funcionário norte-coreano.

    A Coreia do Norte forçou diplomatas no exterior a deixarem crianças em casa depois que Kim assumiu o poder no final de 2011.

    Thae, o ex-vice-embaixador na Grã-Bretanha, disse em seu livro de memórias de 2018 que foi a principal razão por trás de sua deserção, chamando-o de esquema de "refém".

    No entanto, Thae também escreveu que havia algumas exceções para aqueles dos escalões superiores e que eram vistos como os mais leais a Kim.

    Mais:

    Coreia do Norte mantém contatos secretos com EUA?
    Coreia do Norte testa sistemas telemétricos para mísseis balísticos, diz mídia
    Coreia do Sul revela 1º protótipo de seu helicóptero de ataque
    Tags:
    relações bilaterais, diplomata, deserção, ONU, Casa Azul, Thae Yong-ho, Kim Min-ki, Jo Song Gil, Kim Jong-un, Itália, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar