00:47 23 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Vladimir Putin e Donald Trump se encontram no palácio presidencial na capital finlandesa, em 16 de julho de 2018

    Putin estuda ida ao Fórum Econômico em Davos e pode encontrar Trump e Bolsonaro

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Europa
    URL curta
    360

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, pode participar da edição 2019 do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) na Suíça, informou o Kremlin nesta quarta-feira. Putin não participa da prestigiada reunião de negócios e política desde 2009.

    "Há um antigo e constantemente renovado convite para Putin vir à Davos", disse o porta-voz da presidência, Dmitry Peskov, a jornalistas. Ele acrescentou que a decisão final não foi tomada até agora, mas "nada está excluído" e a ida do presidente russo está sendo considerada.

    Na semana passada, a Casa Branca anunciou que o presidente dos EUA, Donald Trump, irá para Davos pelo segundo ano consecutivo. Seria, portanto, uma rara oportunidade para os líderes da Rússia e dos EUA se encontrarem pela primeira vez em 2019. Suas últimas negociações planejadas à margem da cúpula do G-20 na Argentina foram canceladas pelo lado norte-americano, citando confronto entre a Marinha russa e a Marinha ucraniana no estreito de Kerch. Em vez disso, Putin e Trump tiveram uma breve conversa que durou 10 a 15 minutos.

    "Realmente saudamos a mudança de clima em Davos", declarou o porta-voz do Kremlin, referindo-se à recente decisão do fórum de não impedir que empresários russos sancionados comparecessem ao encontro, marcado para janeiro.

    Em novembro, surgiram relatos de que Viktor Vekselberg, proprietário do grupo Renova, o magnata do alumínio Oleg Deripaska e o chefe do Banco VTB, Andrey Kostin, não teriam permissão para participar da reunião de Davos, em 2019, devido às sanções dos EUA. Naquela época, Moscou criticou a possível proibição e ameaçou boicotar o fórum em nível estatal.

    A mudança de coração do WEF aconteceu no início deste mês. Seu diretor administrativo e chefe de conformidade, Alois Zwinggi, disse estar satisfeito em saber que Moscou enviaria "uma delegação governamental de alto nível a Davos".

    Na quarta-feira, a residência oficial russa no WEF — a Davos Russia House — revelou seu programa oficial para o evento de 2019, que será realizado de 21 a 25 de janeiro. Está programado para começar com a sessão intitulada "Rússia — um passo à frente" para discutir as perspectivas do crescimento tecnológico da Rússia. Também incluirá alguns novos tópicos, como a implementação de inteligência artificial em espaços urbanos. A Casa de Davos Rússia também abrigará as sessões com o título "Rússia: DNA do Novo Empreendedor", "A Economia Prateada — Percebendo o Potencial de Crescimento Econômico", e "Apelo à Colaboração: Setor Privado versus Cibercrime".

    Putin falou na cerimônia de abertura do WEF, quando serviu como primeiro-ministro da Rússia em 2009, enquanto o mundo se recuperava da pior crise financeira desde a Grande Depressão. Em 2011, o presidente russo, Dmitry Medvedev, dirigiu-se aos participantes do fórum.

    Eleito presidente do Brasil, Jair Bolsonaro também deve fazer a sua primeira aparição internacional em Davos.

    Mais:

    Arábia Saudita seguirá trabalhando para isolar o Irã, diz ministro em Davos
    Temer chega a Davos e comenta julgamento de Lula: 'pode roubar a cena'
    Brasil vai em peso a Davos: o que Temer quer provar para a elite econômica internacional?
    Tags:
    sanções, relações bilaterais, diplomacia, comércio, economia, Fórum Econômico Mundial (WEF), Andrey Kostin, Oleg Deripaska, Viktor Vekselberg, Jair Bolsonaro, Dmitry Medvedev, Donald Trump, Vladimir Putin, Davos, Brasil, Suiça, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik