06:41 22 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    A primeira-ministra britânica Theresa May faz último discurso na Câmara dos Comuns, em Londres antes da votação final sobre o acordo do Reino Unido com a União Europeia pelo Brexit.

    Theresa May tenta última cartada e apela ao Parlamento para aprovar acordo do Brexit

    © REUTERS/ Parliament TV handout
    Europa
    URL curta
    3 0 0

    A premiê Theresa May tenta uma última cartada, depois de ter adiado a votação parlamentar sobre a retirada do Reino Unido da UE. Mais cedo, o Tribunal de Justiça da União Europeia decidiu que Londres pode decidir unilateralmente cancelar o processo de saída e permanecer no bloco europeu, o que pode agitar os ânimos entre os contrários ao Brexit.

    Um último dia de debate sobre o acordo Brexit entre o Reino Unido e a UE está ocorrendo na Câmara dos Comuns em Londres na segunda-feira, 10 de dezembro.

    O secretário do Brexit, Stephen Barclay, também deve fazer uma declaração. O governo do Reino Unido reservou cinco dias para debater o acordo de retirada proposto pela premiê Theresa May na Câmara dos Comuns, antes de ir à votação derradeira que aconteceria amanhã, 11 de dezembro. De última hora, May, porém, decidiu adiar a votação por tempo indefinido temendo uma derrota "por uma larga margem significativa" de votos.

    "Escutei muito cuidadosamente o que foi dito, nesta Câmara e fora dela, por membros de todos os partidos. Ouvindo esses pontos de vista, fica claro que, embora haja amplo apoio a muitos dos principais aspectos do acordo, em uma questão — o mecanismo de fronteira da Irlanda do Norte — permanece uma preocupação generalizada e profunda. Como resultado, se seguíssemos e mantivéssemos a votação amanhã, o acordo seria rejeitado por uma margem significativa", disse a premiê por meio de nota enviada à imprensa.

    A imprensa local especula que a primeira-ministra não será capaz de conseguir os votos necessários para aprovar o acordo, criticado tanto por apoiadores quanto por críticos da saída do Reino Unido do bloco europeu. Uma reprovação do texto levaria a terra da Rainha à possibilidade de deixar a UE sem nenhum tipo de acordo, um movimento desastroso para a economia britânica.

    Após uma possível rejeição do acordo, os próprios parlamentares teriam poder de desenhar um novo acordo, convocar um novo plebiscito sobre o tema ou mesmo cancelar a ativação do Artigo 50 que inicia o processo de saída da UE. Oficialmente, o gabinete de May nega todas as três possibilidades.

    Tags:
    Artigo 50, Brexit, Câmara dos Comuns, União Europeia, Stephen Barclay, Theresa May, Londres, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik