18:02 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Navios ucranianos Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu no porto de Kerch

    Serviço de Segurança russo: ponte da Crimeia foi alvo principal das provocações ucranianas

    © Sputnik / Assessoria de imprensa do Departamento de Fronteiras do Serviço Federal de Segurança da Rússia na Crimeia
    Europa
    URL curta
    2200

    O Serviço Federal de Segurança (FSB, na sigla em russo) da Rússia comentou as ações provocatórias da Ucrânia nos mares de Azov e Negro ao longo do ano, sublinhando que o alvo principal destas foi a Ponte da Crimeia sobre o estreito de Kerch.

    Discursando durante um briefing neste sábado (8), o primeiro vice-chefe do Departamento da Guarda Costeira do Serviço Fronteiriço da FSB, vice-almirante Aleksei Volsky, lembrou várias ações provocadoras que a parte ucraniana realizou durante 2018.

    Ele lembrou em primeiro lugar a detenção do navio de pesca russo Nord e sua tripulação, em março deste ano, cujo capitão permanece detido pelas autoridades ucranianas.

    "O acontecimento mostrou a existência no território da República da Crimeia e no mar de Azov de ameaças reais à segurança dos cidadãos russos e à segurança e liberdade de navegação por parte das autoridades oficiais ucranianas", comentou o militar.

    Volsky comentou também que navios ucranianos têm ameaçado desde agosto de forma provocadora usar suas armas contra navios russos se estes se aproximassem deles a menos de 3,5 quilômetros.

    Depois, segundo o militar, um mês antes do incidente no estreito de Kerch,  em 24 de outubro, navios ucranianos realizaram uma tentativa de provocação no mar de Azov, quando escoltaram até ao estreito de Kerch uma embarcação sob bandeira búlgara que tinha saído do porto ucraniano de Mariupol.

    "Durante a escolta, [os navios ucranianos] ameaçaram por várias vezes usar suas armas contra navios russos da Guarda Fronteiriça, colocando demonstrativamente em prontidão de combate os sistemas de artilharia", disse Volsky.

    Para a FSB, as numerosas provocações ucranianas tinham como objetivo prejudicar a construção e início de exploração da Ponte da Crimeia.

    "Não há dúvidas que a as ações provocatórias tinham como objetivo principal minar a construção e início da exploração da ponte através do estreito de Kerch. Como se sabe, houve declarações de diversos funcionários ucranianos em diferentes níveis sobre a necessidade de destruir a Ponte da Crimeia", afirmou Volsky neste sábado em um briefing.

    Incidente no estreito de Kerch

    A FSB abordou também o incidente no estreito de Kerch. Em 25 de novembro três navios ucranianos, Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu, entraram em águas territoriais russas temporariamente fechadas e violaram a fronteira da Rússia ao se dirigirem do mar Negro ao mar de Azov através do estreito de Kerch. As embarcações realizaram manobras perigosas sem reagir aos avisos da Guarda Costeira russa e posteriormente foram detidas.

    De acordo com Volsky, os navios da Ucrânia não pediram permissão para atravessar o estreito de Kerch antes da entrar nessas águas. Conforme a lei russa, a informação sobre aproximação de uma embarcação do estreito deve ser transmitida 48 horas, depois 24 horas e finalmente 4 horas antes da passagem.

    Além disso, Volsky contou que as buscas nos navios detidos mostraram que seus sistemas de artilharia estavam carregados e em prontidão de combate.

    Ainda por cima, a quantidade de armas e munições encontradas nas embarcações no âmbito da investigação superava as quantidades pré-estabelecidas, detalhou Volsky.

    Mais:

    EUA podem enviar navio de guerra ao mar Negro em meio às tensões do Estreito de Kerch
    Ucrânia anuncia teste bem-sucedido de novos mísseis de cruzeiro
    MRE russo: lei marcial na Ucrânia ameaça com reinício de ações militares em Donbass
    Tags:
    incidente, provocação, navios, Ponte da Crimeia, Serviço Federal de Segurança (FSB), mar de Azov, mar Negro, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik