05:37 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Nord Stream 2

    Ministro das Relações Exteriores alemão insiste em Nord Stream 2 após incidente em Kerch

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Europa
    URL curta
    6321

    O ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, se manifestou contra a retirada da construção do gasoduto Nord Stream 2. Ele rejeitou críticas de parlamentares pedindo a Alemanha que abandonasse o projeto para punir Moscou após a apreensão de três navios ucranianos no estreito de Kerch.

    O diplomata, representando o Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), parceiro da coalizão democrata-cristã de Angela Merkel, argumentou que o gasoduto seria construído mesmo se Berlim deixasse a iniciativa. Ao mesmo tempo, Maas argumentou que a Alemanha perderia a capacidade de influenciar a política energética da Rússia, incluindo o trânsito de gás via Ucrânia.

    "Ainda seria construído, mas não haveria ninguém defendendo o trânsito alternativo de gás através da Ucrânia. É por isso que consideramos importante permanecer engajados politicamente", disse Maas a jornalistas.

    O Nord Stream 2 é uma joint venture entre a Gazprom e cinco empresas de energia da Europa Ocidental. O projeto, que recebeu aprovação para construção nas águas territoriais e exclusivas da zona econômica da Rússia, Finlândia, Suécia e Alemanha, ainda não recebeu o sinal verde da Dinamarca.

    O projeto enfrenta resistência dos EUA e de vários países europeus, incluindo a Ucrânia, que lucram com o trânsito de gás da Rússia para a Europa. Anteriormente, o presidente Donald Trump criticou os países da UE pelo apoio ao Nord Stream 2, instando-os a abandoná-lo em favor da American LNG. Recentemente, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, prometeu que Washington iria trabalhar com Kiev para impedir a construção do gasoduto, que, segundo ele, "mina a segurança econômica e estratégica da Ucrânia".

    Tags:
    Nord Stream 2, American LNG, Gazprom, Mike Pompeo, Donald Trump, Kiev, Alemanha, Suécia, Finlândia, Rússia, Dinamarca, Washington, Ucrânia, Europa Ocidental
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik