02:36 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira da Alemanha

    Campanha para migrantes voltarem aos seus países causa controvérsia na Alemanha

    © AP Photo / Gero Breloer
    Europa
    URL curta
    120

    Como a Alemanha ainda luta para equilibrar sua política de migração, o Ministério do Interior aparentemente decidiu tomar uma das questões em suas próprias mãos e, através de uma campanha publicitária, aumentar o número de repatriações voluntárias.

    O ministério, liderado pelo aliado bávaro da chanceler Angela Merkel, Horst Seehofer, decidiu atrair potenciais repatriados com um futuro supostamente brilhante esperando por eles em seus países de origem - bem como uma espécie de presente de cortesia caso eles concordassem em voltar para casa voluntariamente.

    Os anúncios, que foram colocados nos outdoors das principais cidades alemãs em meados de novembro, apresentavam um slogan alegre que dizia: "Seu país! Seu futuro! Agora!"

    Os anúncios também ofereceram aos que aproveitam a oportunidade única antes do final de 2018 um bônus na forma do governo alemão, pagando seus custos de aluguel em seus países de origem para o próximo ano. Em troca, os refugiados precisam retomar seus pedidos de asilo e renunciar a outros procedimentos legais para permanecer na Alemanha.

    O movimento incomum foi aparentemente motivado por um rápido declínio este ano em retornos voluntários entre migrantes e requerentes de asilo. Em 2017, 29 mil pessoas aderiram aos programas de retorno voluntário, mas este ano o número caiu drasticamente para apenas 14 mil até o final de outubro.

    Resta saber se o ministério tocou as pessoas com as quais buscou se aproximar, mas já provocou claramente uma reação negativa.

    "A mais recente campanha do Ministério do Interior parece uma espécie de vendas de inverno e isso é cínico", disse Konstantin von Notz, vice-chefe da facção dos Verdes no Parlamento (Bundestag), ao diário Berliner Morgenpost.

    "Aparentemente, ele visa esconder as falhas do próprio ministério e melhorar os números relacionados às pessoas que deixaram o país voluntariamente antes do final do ano", acrescentou.

    Pessoas comuns aparentemente também não apreciaram a iniciativa, com muitos interpretando a verdadeira mensagem por trás do slogan: "A Alemanha não é sua terra e seu futuro não está aqui". Outros simplesmente chamaram a campanha de "horrível" enquanto batiam a própria ideia de que tal iniciativa seria "desumana".

    Oferecer dinheiro a esses migrantes que gostariam de voltar para seus países de boa vontade não é realmente algo novo para a Alemanha, que vem lutando com o grande número de refugiados desde 2015, quando Merkel anunciou sua infame política de "portas abertas".

    Em 2017, Berlim ofereceu uma compensação aos refugiados rejeitados que não lutariam contra a deportação. Cada retornado voluntário normalmente recebe cerca de 1.200 euros das autoridades alemãs, mas, de acordo com a mídia alemã, sob o novo programa eles podem receber até 3.000 euros.

    Mais:

    Ministra da Defesa da Alemanha defende criação de um exército da União Europeia
    Revelada carta de Einstein que previu perigo da ascensão do nazismo na Alemanha
    Alemanha adotará 'cautela' diante de Bolsonaro, diz mídia
    Tags:
    repatriação, diplomacia, crise de imigrantes, migrantes, Konstantin von Notz, Horst Seehofer, Angela Merkel, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik