12:18 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Refugiados e imigrantes na estação ferroviária de Munique, Alemanha, 1 de Setembro de 2015

    Consulados da Alemanha no Oriente Médio vendiam vistos para migrantes, denuncia revista

    © REUTERS / Lukas Barth
    Europa
    URL curta
    111

    Funcionários corruptos nos consulados alemães em alguns países do Oriente Médio têm colaborado com contrabandistas e literalmente vendendo vistos forjados para migrantes que querem vir para a Alemanha como refugiados, revelou a revista Der Spiegel.

    Os esquemas corruptos "foram executados sem problemas [pelos empregados] nos centros de vistos de muitas missões diplomáticas alemãs no exterior", e o Oriente Médio em particular, relatou o semanário alemão, chamando os consulados de "calcanhar de Aquiles" na luta contra o contrabando de pessoas.

    A revista alemã também chama os funcionários locais de "ponto fraco" dos departamentos alemães de vistos, pois são eles que costumam trabalhar com traficantes de pessoas.

    Um consulado alemão na cidade de Erbil, no norte do Iraque, estava particularmente envolvido em um desses esquemas fraudulentos, de acordo com a investigação do jornal. Traficantes locais de seres humanos se ofereceram para obter vistos de seus clientes por meio de funcionários corruptos do consulado sem a necessidade de aprovação pelo departamento de vistos e registro na Alemanha. Um documento falso, que poderia permitir que um pretenso requerente de asilo entrasse legalmente na Alemanha como parte de um programa de recepção de refugiados, custava entre US$ 3.000 e US$ 13.000.

    O esquema suspeito correu suavemente entre agosto e dezembro de 2017 até finalmente chamar a atenção dos funcionários do Ministério de Relações Exteriores da Alemanha. Os falsificadores conseguiram vender cerca de duas dúzias de vistos nesse período, diz a Der Spiegel, acrescentando que o número real desses casos pode ser muito maior.

    Um esquema semelhante foi executado por um funcionário de um consulado alemão em Beirute, no Líbano, identificado como Mohamad J. O homem teria lidado com um lucrativo comércio de vistos no consulado entre dezembro de 2014 e maio de 2015. Ele agora enfrenta acusações em Alemanha mais de 11 casos de venda de vistos. No entanto, o número real pode ser muito maior, já que os investigadores identificaram até 201 pedidos de vistos suspeitos processados no consulado durante esse período.

    As autoridades alemãs, no entanto, parecem surpreendentemente relutantes em investigar esses casos. De acordo com a Der Spiegel, essas atuações geralmente são acionadas somente depois que tais incidentes atingem as manchetes da mídia. As autoridades começaram a investigar ativamente a fraude no consulado de Beirute somente depois que a emissora alemã WDR informou sobre isso em seu programa "Monitor".

    No caso de Erbil, o Ministério de Relações Exteriores informou as autoridades policiais sobre o problema em dezembro de 2017. No entanto, este caso aparentemente permaneceu enterrado na burocracia policial por quase um ano até que o Ministério Público finalmente instaurou um processo criminal contra os suspeitos de falsificação, em outubro de 2018.

    Os funcionários locais suspeitos de corrupção e falsificação de vistos ainda estão trabalhando no consulado de Erbil, segundo a Der Spiegel. O infame Mohamad J., do consulado de Beirute e seu cúmplice, agora está morando na Alemanha, e pode circular livremente enquanto aguardam uma audiência em seu caso.

    Mais:

    Ministra da Defesa da Alemanha defende criação de um exército da União Europeia
    Alemanha adotará 'cautela' diante de Bolsonaro, diz mídia
    Saída de Merkel abre oportunidade para Alemanha, diz vice-chanceler da Áustria
    Tags:
    crise de imigrantes, corrupção, vistos, Der Spiegel, Mohamad J, Beirute, Iraque, Erbil, Oriente Médio, Líbano, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik