17:58 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Marine Le Pen, líder do partido de extrema direita francês Frente Nacional

    Macron quer 'exército europeu' para compartilhar armas nucleares com Merkel, diz Le Pen

    © REUTERS / Yves Herman
    Europa
    URL curta
    7190

    O presidente Emmanuel Macron quer criar um "exército europeu" para compartilhar o assento permanente da França no Conselho de Segurança da ONU, bem como suas armas nucleares, com a Alemanha, afirmou a líder de direita Marine Le Pen.

    Macron quer usar o cobiçado "exército europeu" para compartilhar o "lugar no Conselho de Segurança" e o "arsenal nuclear" francês com a vizinha Alemanha, disse Le Pen à Sputnik nesta quarta-feira.

    Le Pen, que lidera o partido de direita National Rally (anteriormente conhecido como Frente Nacional) e foi a principal adversária de Macron na corrida presidencial do ano passado, opõe-se fortemente à sua ideia de estabelecer estruturas militares da União Europeia (UE).

    "Para manter a paz, toda nação deve ter seu próprio exército nacional, mas não permitir que ele participe de ações militares conjuntas, se necessário", declarou.

    A França pertence aos "Estados P5", 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU com poder de veto. A Alemanha só pode ser eleita para fazer parte do conselho por um mandato de 2 anos como membro não permanente. Em 1990, prometeu não desenvolver ou manter suas próprias armas nucleares.

    A ideia de criar um "verdadeiro exército europeu" foi anunciada pela Macron no início deste mês. O presidente disse que tal força militar é necessária para proteger os europeus da Rússia, China, "e até dos EUA".

    Macron fez esses comentários nos dias que antecederam o 100º aniversário do fim da Primeira Guerra Mundial, e duas semanas depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou sua decisão de retirar-se do marco do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).

    A abordagem de Macron recebeu o apoio da chanceler alemã, Angela Merkel. A UE deveria "trabalhar em uma visão" de estabelecer um verdadeiro exército europeu no futuro, afirmou, dirigindo-se aos membros do Parlamento Europeu em Estrasburgo.

    A mesma visão, no entanto, rapidamente resultou em desentendimentos com o presidente Trump, que atacou Macron, dizendo que a França deveria contribuir mais para a OTAN do que promover a ideia de estabelecer uma nova força militar conjunta na Europa.

    Marine Le Pen também acredita que criar um exército europeu seria uma má solução. "Um exército é um elemento da soberania da nação. A soberania europeia não existe. A Europa não é uma nação. Preferiria que fosse um espaço para a cooperação europeia", concluiu.

    Mais:

    Após críticas de Trump, EUA reforçam apoio à OTAN diante de possível exército europeu
    OTAN joga culpa pela operação na Líbia nos europeus, mas a realidade é outra, diz analista
    O que realmente pretendia OTAN com manobras na Noruega?
    Tags:
    diplomacia, armas nucleares, exército europeu, Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), Conselho de Segurança da ONU, União Europeia, OTAN, Donald Trump, Angela Merkel, Emmanuel Macron, Marine Le Pen, Estados Unidos, Europa, Rússia, Alemanha, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik