00:29 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Um jornalista mostra uma cópia do projeto de lei do Artigo 50 da Brexit, introduzido pelo governo para buscar aprovação parlamentar para iniciar o processo de deixar a União Europeia, em frente às Casas do Parlamento em Londres.

    Mídia: Planos para Brexit naufragam e Theresa May pode enfrentar debandada de secretários

    © REUTERS / Toby Melville
    Europa
    URL curta
    240

    Quatro ministros britânicos que apóiam a permanência na União Europeia estariam prestes a deixar o governo da premiê Theresa May, aprofundando ainda mais a divisão em torno do Brexit, informou o Sunday Times.

    O plano desenhado por May para conter uma possível turbulência polícia e econômica pós-Brexit envolve a criação de um mecanismo independente para supervisionar a saída da Grã-Bretanha de qualquer acordo alfandegário temporário. Ao mesmo tempo, prevê o estabelecimento de uma área de livre comércio  com a UE baseada em um "conjunto comum de regras" e rejeita a criação da chamada "fronteira dura' entre a Irlanda do Norte e a Irlanda (o que poderia colocar a jogo o Acordo de Belfast, responsável por encerrar décadas de hostilidades e terrorismo na ilha).

    A ideia, porém, é altamente impopular tanto entre quem optou por sair da UE quanto por quem quis ficar. Em um indicativo de desacordo dentro do próprio governo, o ministro dos Transportes do Reino Unido, Jo Johnson, declarou na última sexta que estava deixando o cargo devido ao plano do governo, que considerou um "erro terrível". Em um comunicado, Johnson disse que a ideia proposta por May deixaria o país economicamente enfraquecido, ao mesmo tempo em que não obter um acordo "infligiria danos incalculáveis" à nação.

    A situação foi agravada após o vazamento de uma carta de May em que a premiê revela ser a favor da criação de uma fronteira alfandegária no Mar da Irlanda, como proposto por Bruxelas, se o acordo para o Brexit for alcançado. O compromisso contraria o Partido Democrático Unionista da Irlanda do Norte (DUP), opositor a qualquer acordo que separe a Irlanda do Norte do resto do Reino Unido. O DUP costumava a ser uma força minoritária no Parlamento, mas com o fraco desempenho liberal nas últimas eleições extraordinárias convocadas por May, constitui hoje peça fundamental para formar maioria à premiê. Sem ele, Theresa May pode ser obrigada a renunciar.

    O Reino Unido deixará a União Europeia em março de 2019. No entanto, o prazo pode ser prorrogado se todos os 28 membros da UE aprovarem.

    Tags:
    Brexit, União Europeia, Conservadores, Partido Democrático Unionista da Irlanda do Norte, Theresa May, Jo Johnson, Irlanda do Norte, Mar da Irlanda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik