00:11 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    O marechal Philippe Pétain.

    Macron elogia general da Primeira Guerra Mundial que mais tarde colaborou com nazistas

    © AP Photo /
    Europa
    URL curta
    525

    O presidente da França, Emmanuel Macron, elogiou nesta quarta-feira (7) um general da Primeira Guerra Mundial que posteriormente colaborou com os nazistas na Segunda Guerra Mundial.

    Macron fez os comentários sobre o marechal Philippe Pétain em uma parada na cidade de Charleville-Mezieres. A programação é parte de sua turnê de seis dias por campos de batalha para marcar o centenário do fim da Primeira Guerra Mundial.

    "O marechal Pétain também foi um grande soldado durante a Primeira Guerra Mundial", apesar de ter feito "escolhas fatais durante a Segunda Guerra Mundial", disse Macron. "Meu papel não é entender que é chocante ou comentar sobre as pessoas. Meu papel é tentar explicar, ser firme em minhas convicções, enfrentar nossa história."

    Pétain levou o exército francês à vitória em Verdun em 1916, mas ganhou infâmia e uma condenação por traição por suas ações como líder da França sob a ocupação nazista. Ele é desprezado por sua cumplicidade no Holocausto e por sua participação na deportação de judeus franceses.

    O incomum elogio presidencial foi criticado pelo principal grupo judeu da França, conhecido pelas iniciais CRIF.

    "Estou chocado com essa declaração de Macron", disse o presidente do CRIF, Francis Kalifat, à Associated Press.

    "Pétain foi a pessoa que permitiu a deportação de 76 mil judeus franceses para campos de extermínio. Pétain assinou a [lei sobre] o status dos judeus que significava que os judeus eram excluídos da função pública, da educação e forçados a usar a estrela judia", acrescentou.

    Kalifat disse que foi "um insulto" que um presidente francês pudesse honrar Pétain "no mesmo nível que os outros generais". Mas ele reconheceu o papel crucial do marechal na Grande Guerra que lhe valeu o apelido de "Leão de Verdun".

    O porta-voz do governo francês, Benjamin Griveaux, minimizou a questão como "falsa controvérsia".

    Mais:

    França e Egito realizam exercícios militares conjuntos contra o terrorismo
    França emite mandado de detenção de 3 altos funcionários dos serviços secretos sírios
    Resultados preliminares indicam que Nova Caledônia continuará fazendo parte da França
    Nova Caledônia decide neste domingo se separar ou não da França após 167 anos
    Fernando Haddad vence entre os eleitores brasileiros na França
    Tags:
    Emmanuel Macron, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik