10:03 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Cerimônia oficial de boas-vindas às tropas dos EUA em Zagan, Polônia, em 12 de janeiro de 2017

    Por que 'Forte Trump' na Polônia seria ideia ruim para Estados Unidos e Europa?

    © AP Photo / Czarek Sokolowski
    Europa
    URL curta
    671

    Instalações militares dos EUA, tão desejadas pela Polônia, estão fazendo com que o país europeu gaste 2% do seu PIB, além de devastar uma região florestal de 38,18 hectares em terras polonesas.

    Poloneses já gastaram alguns bilhões de dólares para construir bases norte-americanas permanentes a fim de proteger o país da "ameaça russa". A oferta proposta pelo líder polonês foi tão alta que surpreendeu até mesmo o presidente norte-americano, que declarou que "um termo como esse você não escuta frequentemente", referindo-se à chance de proteger militarmente ambos os países e ainda de receber US$ 2 bilhões (R$ 7 bilhões) por isso.

    Entretanto, manter tropas em territórios alheios gera um alto custo por se tratar de uma operação em bases onde há diferentes culturas e economias, além de fatores como a criação de academias, intercâmbios, escolas, enfermarias, cinemas, transporte de equipamentos militares, entre outras coisas.

    Surge então um problema, tudo isso seria pago pelo país que solicitou a criação de base norte-americana. Porém, sabe-se que a Polônia não é um dos aliados mais ricos dos EUA, e o dinheiro oferecido pelo país seria inferior aos gastos que os EUA teriam de pagar no território polonês.

    Compromissos e instalações no exterior poderiam ter algum sentido nos tempos da Guerra Fria, entretanto, "Forte Trump" se trata de uma base militar inútil, principalmente pelo fato de que a Polônia, assim como a Europa, não defende os EUA. Na verdade, a OTAN defende a Europa, segundo o artigo publicado pela revista The National Interest.

    Washington estaria apenas gastando dinheiro dos contribuintes ao deslocar forças pela Polônia e por todo o Leste Europeu, justificando suas ações através de suposta invasão da Rússia, na qual não há qualquer expectativa de que seja uma realidade.

    Além disso, mesmo que isso acontecesse e que os norte-americanos saíssem vencedores, eles não ganhariam quase nada com isso, pois outros países-membros da OTAN — diante das obrigações como aliados — defenderiam a Polônia.

    Ou seja, os membros europeus que integram a OTAN teriam condições suficientes para defender não apenas os poloneses como a própria Europa, já que conta com uma grande estrutura, economia similar ao dos EUA e uma população maior, tendo excelentes recursos para eventuais conflitos, não precisando das forças norte-americanas.

    Porém, a "invasão russa" aparentemente não passa de um pretexto para arrecadar mais e mais dinheiro dos contribuintes, já que o Pentágono já desembolsou em torno de U$ 140 milhões (R$ 530 milhões) para a construção de instalações na Polônia, enquanto que a Polônia também está desembolsando um alto valor para manter uma força absolutamente inútil.

    O mais sensato seria Washington recusar a proposta do "Forte Trump" e buscar um compromisso de paz com Moscou, o que reduziria consideravelmente seus gastos, além de seguir a política estrangeira de Donald Trump, que é a política de "América primeiro", ou seja, deveria cuidar de sua nação e estabilizar a economia norte-americana que apresenta um déficit de quase US$ 1 trilhão (R$ 3,7 trilhões).

    Mais:

    Bases militares russo-bielorrussas seriam criadas em resposta a planos dos EUA e Polônia?
    Base dos EUA na Polônia é mera provocação direcionada à Rússia?
    Tags:
    gastos militares, Guerra Fria, americanos, base militar, OTAN, Europa, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik