23:19 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Míssil de médio alcance norte-americano, Pershing II

    Diplomata alemão crê que situação atual seja 'a mais perigosa desde fim da Guerra Fria'

    © flickr.com / Daniel DeCristo
    Europa
    URL curta
    291

    Para o presidente da Conferência de Segurança de Munique, Wolfgang Ischinger, com a saída dos EUA do tratado INF a Europa passaria a ser a primeira região ameaçada por novos mísseis nucleares, tornando-se um alvo fácil.

    A confiança que havia entre o Ocidente e Oriente foi "perdida", gerando grande ameaça para todo o planeta, destaca.

    Entretanto, caso a decisão dos EUA seja realmente cumprida, a Europa seria a primeira região a ser colocada em perigo. Reforçando a afirmação ao jornal Augsburger Allgemeine, Ischinger ressaltou que "a atual situação é a mais perigosa desde o fim da Guerra Fria".

    Ischinger entende que a Europa passou a ser apenas um "brinquedo" nas mãos de atores estrangeiros, considerando a situação "lamentável". Com relação ao tratado INF, o diplomata assinalou que a Europa não deve poupar esforços para solicitar aos líderes da Rússia e dos EUA a permanecerem ou renovarem o tratado.

    No momento, a Europa se encontra em uma situação onde os países estão divididos, dificultando consenso entre as partes.

    Ischinger ressalta que o desenvolvimento das capacidades militares "é, sem dúvidas, importante" e que a principal ação seria melhorar as relações políticas e econômicas. Além disso, ele destacou que a "Rússia é uma potência militar", sendo fundamental para a Europa manter o diálogo com Moscou para que juntas possam resolver conflitos na Ucrânia e Síria.

    Outro fator ressaltado pelo diplomata é que mesmo diante das sanções e outras situações desfavoráveis, a cooperação econômica entre Alemanha e Rússia está se fortalecendo, demonstrando o potencial de cooperação entre os dois países.

    O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de ter mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    Porém, em 20 de outubro deste ano, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, alegando supostas violações do acordo pela Rússia, acrescentando que os EUA aumentariam suas capacidades nucleares.

    Mais:

    Ex-líder da URSS sobre saída dos EUA do INF: 'Foi declarada nova corrida armamentista'
    Imprensa dos EUA chama a saída dos EUA do Tratado INF de 'presente para Rússia'
    Corrida armamentista: Rússia vai responder à saída dos EUA do Tratado INF, diz senadora
    Tags:
    alvo, potencial nuclear, arma nuclear, ameaça nuclear, mísseis, Tratado INF, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik