08:53 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Exército polonês e norte-americano em exercícios Anaconda da OTAN na Polônia, em 6 de junho de 2016 (foto de arquivo)

    'Rússia é uma ameaça': Polônia quer mais tropas permanentes dos EUA no país

    © AP Photo / Alik Keplicz
    Europa
    URL curta
    12214

    O ministro de Relações Exteriores da Polônia, Jacek Czaputowicz, afirmou à Sputnik nesta sexta-feira que a Polônia reforçaria a cooperação militar com os Estados Unidos, enfatizando que Varsóvia buscava a presença permanente de militares americanos no país.

    "Desde 2008, temos cooperado com os Estados Unidos [na esfera militar]. Tomamos a decisão de construir uma base antimíssil em Redzikowo. Já há unidades dos EUA lá […] A presença militar dos EUA na Polônia já é significativa devido ao fato de que a Rússia é uma ameaça. Queremos que esta presença seja aumentada e permanente", disse Czaputowicz.

    Ele observou que 3.000 soldados dos EUA foram enviados para a Polônia segundo o princípio rotativo.

    "A Polônia está agindo de maneira transparente em sua cooperação com a OTAN. Acreditamos que essas ações impulsionam a segurança não apenas da Polônia e da Europa, mas também da OTAN como um todo", destacou Czaputowicz.

    Falando sobre o Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) e a intenção dos EUA de se retirar do acordo, a autoridade polonesa disse que os tratados deveriam ser seguidos por cada lado.

    "E se estamos falando desses mísseis, a Rússia está realizando ações que violam o tratado […] [A Polônia] expressa a compreensão da posição dos EUA sobre o assunto", comentou o ministro.

    Ao mesmo tempo, ele disse que a Polônia gostaria de ter relações amigáveis com a Rússia.

    "A Polônia gostaria de ter boas relações com a Rússia, cooperação em nível de sociedades e estados, mas a comunidade internacional deve estar unida e demonstrar que não pode haver consentimento para a violação do direito internacional", disse Czaputowicz.

    No sábado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou a intenção de seu país de retirar-se do Tratado INF sobre as supostas violações do acordo pela Rússia.

    Na segunda-feira, o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, pontuou que a Rússia esperaria pelos esclarecimentos oficiais dos Estados Unidos sobre sua possível retirada do Tratado INF e só então determinaria sua própria posição sobre o assunto.

    A autoridade russa acrescentou que qualquer ação nesta área seria recebida com oposição, enfatizando que a paridade seria mantida sob quaisquer circunstâncias.

    O Tratado INF foi assinado pelo então líder da União Soviética, Mikhail Gorbachev, e depois pelo presidente dos EUA, Ronald Reagan, em 1987, em meio à Guerra Fria. Os dois lados chegaram a um acordo histórico para cortar seus arsenais nucleares e se comprometeram a destruir todos os mísseis balísticos de cruzeiro ou lançados no solo, com alcance entre 310 e 3.400 milhas.

    Mais:

    Acordo arriscado de gás entre Polônia e EUA é uma tentativa de manipular a Rússia?
    Expansão de base dos EUA causará sérios danos à preciosa fauna na Polônia
    Base dos EUA na Polônia é mera provocação direcionada à Rússia?
    Tags:
    defesa, Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), russofobia, diplomacia, segurança, OTAN, Jacek Czaputowicz, Sergei Lavrov, Estados Unidos, Polônia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik