13:32 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    8110
    Nos siga no

    A Polônia está trabalhando para aumentar o número de forças do país na fronteira com Kaliningrado, o enclave russo no Mar Báltico, disse nesta quinta-feira o ministro da Defesa da Polônia, Mariusz Blaszczak.

    "É importante que os militares poloneses sejam mais numerosos no leste de nosso país", afirmou Blaszczak ao rever o regimento de artilharia de tanques-destruidores na cidade de Suwalki, situado a cerca de 40 quilômetros da fronteira com o país na região de Kaliningrado.

    Ele lembrou que as forças da OTAN foram desdobradas não muito longe do chamado hiato de Suwalki, que, de acordo com o bloco militar, é a parte mais vulnerável das fronteiras do bloco e um alvo potencial da suposta agressão da Rússia.

    "As forças da OTAN estão desdobradas não muito longe daqui. Mas nós percebemos que deveríamos criar capacidades defensivas. É importante que as nossas Forças Armadas sejam numerosas, bem equipadas com armas sofisticadas e intimamente integradas nas estruturas da OTAN", destacou Blaszczak.

    A Polônia tem estado ativamente intensificando sua cooperação com a OTAN recentemente, a fim de impedir qualquer possível agressão contra o país, incluindo a suposta ameaça da Rússia.

    Moscou afirmou repetidamente que nunca atacaria nenhum aliado da OTAN. De acordo com o ministro russo de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, a aliança militar ocidental está ciente desta posição russa, mas usa alegada agressão da Rússia como pretexto para impulsionar a sua construção militar perto das fronteiras russas.

    Mais:

    Expansão de base dos EUA causará sérios danos à preciosa fauna na Polônia
    Rússia exige medidas contra vândalos de túmulos soviéticos na Polônia
    Moscou: instalação de sistemas Mk-41 pelos EUA na Polônia e Romênia contradiz tratado INF
    Tags:
    fronteira, segurança, defesa, russofobia, OTAN, Sergei Lavrov, Mariusz Blaszczak, Kaliningrado, Rússia, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar