04:03 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia

    Bielorrússia vai armar 7 milhões de cidadãos em caso de guerra, afirma Lukashenko

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Europa
    URL curta
    6310

    Cada cidadão bielorrusso, exceto crianças, receberá uma arma se o país for atacado por um inimigo, assegurou o presidente Aleksandr Lukashenko. Ele também lamentou o volume de armas ilegais que chegam ao país vindas da Ucrânia.

    "Eu não estava brincando quando disse que se tivéssemos armas de fogo suficientes — rifles de assalto, pistolas, metralhadoras e munição e se, Deus me livre, há guerra, vamos entregá-la a todas as famílias", disse Lukashenko, citado pela STV, acrescentando que isso equivaleria a 7 milhões de pessoas recebendo armas.

    O presidente bielorrusso disse que o país só precisa de armas defensivas, que podem causar danos "insustentáveis" ao inimigo. "Como mísseis de alta precisão com alcance entre 300 e 350 quilômetros. E nós temos aqueles", ponderou

    Lukashenko não especificou quem planeja atacar a Bielorrússia, mas disse que a vizinha Ucrânia é uma fonte de preocupação. "Estamos alarmados com o influxo de armas ilegais através da fronteira ucraniana. Nós apreendemos muitas armas", contou.

    O presidente disse que a Bielorrússia "decidiu apertar a fronteira com a Ucrânia", onde o governo está travando uma campanha militar mortal nas regiões de Donetsk e Luhansk, no sudeste do país, desde 2014.

    "Vemos quantos problemas para a Bielorrússia está vindo de lá […] Temos de fechar a fronteira, mas não para as pessoas decentes, mas para os criminosos, que trazem armas", concluiu Lukashenko.

    Mais:

    Horror na Bielorrússia: milhões de moscas invadem cidade (VÍDEO)
    Bielorrússia pode perder a independência caso não supere problemas, diz presidente do país
    Ações da OTAN estão trazendo problemas à Europa Oriental, diz presidente da Bielorrússia
    Tags:
    fronteira, armas, guerra, Aleksandr Lukashenko, Ucrânia, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik