07:15 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Embaixada russa no Reino Unido

    Rússia exige provas da chancelaria britânica sobre supostos ataques cibernéticos

    © Sputnik / Alexey Filippov
    Europa
    URL curta
    540

    A embaixada russa no Reino Unido enviou nesta sexta-feira (5) uma nota ao Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido exigindo que Londres compartilhe imediatamente os fatos que levaram as autoridades britânicas a conclusões sobre supostas tentativas de Moscou de realizar ataques cibernéticos contra Londres.

    A declaração foi divulgada a repórteres pelo porta-voz da embaixada.

    O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido afirmou na quinta-feira (4) que Londres acredita ter "alta confiança" que o serviço de inteligência militar russo GRU era "quase certamente" responsável por uma série de ataques cibernéticos contra instituições políticas, veículos de comunicação e infraestrutura em todo o mundo.

    As acusações de ataque se estendem ainda a instituições do Reino Unido, que afirmaram que pretendem responder a esses atos ao lado de seus aliados.

    "A embaixada enviou uma nota ao Ministério das Relações Exteriores britânico hoje com a exigência de que se compartilhe imediatamente com a Rússia os fatos que levaram a tais conclusões. Lembramos, em especial, que havíamos repetidamente oferecido ao lado britânico a organização de consultas especializadas para aliviar preocupações sobre questões de segurança cibernética, se tais preocupações realmente existirem", disse o porta-voz.

    Mais:

    França pede compromisso das partes com acordo Turquia-Rússia sobre a Síria
    Quando quer muito acusar Rússia, qualquer coisa serve
    Forças Armadas dos EUA poderiam enfrentar Rússia e China ao mesmo tempo?
    Céu imbatível: como Rússia protegerá suas cidades com novo sistema de defesa antiaérea?
    Tags:
    hackers russos, ataques cibernéticos, Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido, Rússia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik