08:21 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados poloneses e norte-americanos durante exercícios conjuntos Anakonda 16 perto de Torun, Polônia, junho de 2016

    Polônia quer americanos mais presentes na Europa para estabilização da segurança

    © REUTERS / Kacper Pempel
    Europa
    URL curta
    425

    Segundo o presidente polonês, Andrzej Duda, a Polônia quer mover a “fronteira de segurança” na Europa com a ajuda das tropas americanas.

    Andrzej Duda declarou ao jornal Sieci que "[…] as bases americanas conseguiram a fama de serem garantes da segurança, como durante os anos da Guerra Fria, quando demonstraram seu poder estabilizador, assim foi na Alemanha Ocidental que, graças a eles, resistiu à pressão do Leste".

    O presidente polonês acredita que, graças aos EUA, "[…] os planos soviéticos de expansão militar foram destruídos", afirmando ainda que "[…] é hora de mover a fronteira de segurança através da presença de um aliado, como os americanos, na Polônia e outros países, como a Romênia", afirmou, expondo seu desejo de uma maior presença permanente americana na Europa.

    Em setembro, Donald Trump, presidente dos EUA, disse que Washington não descarta a instalação de uma base militar na Polônia e que Varsóvia está disposta a pagar "bilhões de dólares" por ela.

    Anteriormente, a Polônia fez uma proposta bilateral fora da OTAN aos EUA, onde propunha o envio de tanques à Polônia e que ela assumiria os gastos do transporte.

    Vale ressaltar que cerca de quatro mil militares dos EUA já estão alojados no país como parte das unidades do Pentágono e das forças multinacionais da OTAN.

    Mais:

    Chefe da OTAN revela diálogo com a Rússia sobre exercícios e polêmica base na Polônia
    Pentágono inspeciona área na Polônia para a nova base militar, relata Mattis
    Ex-chanceler da Polônia pede que Varsóvia melhore as relações com a Rússia
    Tags:
    aliados, bases norte-americanas, segurança, base militar, americanos, Varsóvia, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik