03:08 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Czech Republic's Prime Minister Andrej Babis gestures during a press conference in Prague, Czech Republic, Monday, March 26, 2018. Babis said that the country is expelling three staffers from the Russian embassy as part of a coordinated European effort to the poisoning of a former Russian double agent and his daughter in Britain. (AP Photo/Petr David Josek)

    Premiê tcheco defende Orban e diz que Praga negará entrada a qualquer refugiado

    © AP Photo / Petr David Josek
    Europa
    URL curta
    351

    O primeiro-ministro tcheco Andrej Babis acredita que o cancelamento das cotas de migrantes da União Europeia (UE) foi um dos maiores sucessos de sua política externa, dizendo que ele lutou contra as cotas junto com Viktor Orban e conseguiu "abolir o sistema absurdo".

    "[Orban e eu] lutamos contra as cotas em Bruxelas e abolimos esse sistema absurdo", afirmou Babis.

    O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban, um duro crítico da migração e das cotas obrigatórias de migrantes, tem repetidamente lançado dúvidas sobre a validade da situação humanitária dos migrantes.

    Falando de imigrantes ilegais, Babis afirmou que Praga "não aceitará um único refugiado", mesmo que sejam órfãos sírios.

    "Por que devemos aceitar [órfãos sírios]? Temos órfãos em nosso próprio país […] eu fui para a política principalmente para cuidar dos cidadãos tchecos", acrescentou.

    Babis também lembrou de ter conversado com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Berlim.

    "Ela me perguntou se nós [República Tcheca] poderia levar alguns imigrantes ilegais. Eu disse que não poderíamos nem pegar um", disse ele, acrescentando que sua resposta foi "uma atitude simbólica diante da incapacidade da UE" de abordar o problema dos migrantes. Babis aparentemente estava se referindo ao seu recente encontro com Merkel no início de setembro.

    Em dezembro de 2017, a República Tcheca, juntamente com a Hungria e a Polônia, defenderam seu "direito" de rejeitar as cotas de refugiados impostas pela UE em meio a pressões da Comissão Europeia (CE).

    Apesar das repetidas advertências da CE, os três países continuam a perseguir um processo de descumprimento, argumentando que os migrantes representam uma ameaça direta à segurança pública.

    Babis, que assumiu o posto na época, disse que "as cotas dividem a Europa e não são eficazes".

    O primeiro-ministro da República Tcheca criticou repetidamente as políticas de migração existentes na UE e argumentou que os países europeus devem "se unir" para encontrar uma solução viável para a crise.

    Referindo-se aos notórios impasses entre os manifestantes anti-migrantes e anti-fascistas na cidade alemã de Chemnitz, ele disse que a Europa deve lutar por sua cultura e valores em face da crise migratória.

    "Não queremos morar na África ou no Oriente Médio aqui. Nós devemos lutar por nossos valores", comentou.

    Mais:

    'Jesus negro': Virgem Maria abraça refugiado em obra italiana (VIDEO)
    Suposto refugiado tenta afogar ex-namorada na Alemanha
    Refugiado que tirou selfie com Merkel apresenta demanda contra Facebook por difamação
    Tags:
    diplomacia, refugiados, imigração, Comissão Europeia, União Europeia, Angela Merkel, Viktor Orban, Andrej Babis, Síria, Europa, Hungria, República Tcheca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik