13:51 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Ex-comandante da Marinha ucraniana, vice-almirante Sergei Gaiduk

    Ex-comandante da Marinha ucraniana acusa Rússia de 'provocar revoltas'

    © Sputnik / Valeriy Melnikov
    Europa
    URL curta
    6511

    A Rússia cria pressão econômica nos portos de Berdyansk e Mariupol para provocar revoltas, declarou ao canal ucraniano Espresso o ex-comandante da Marinha ucraniana, vice-almirante Sergei Gaiduk.

    Para ele, a Rússia segue uma estratégia de criar o caos na região do mar de Azov.

    "Nós devemos entender que nestes portos trabalham até cinco milhares de pessoas que, em caso de perderem o emprego, podem organizar manifestações, ou seja, pode surgir hesitação social entre a população, e aqui o interesse [da Rússia] vai nessa direção", esclareceu Gaiduk ao canal ucraniano Espresso.

    A situação está sendo dificultada pelo fato de que Mariupol fica perto de Donbass, acrescentou ele.

    "Imaginem o que pode acontecer: a oriente de Mariupol está […] nosso agrupamento naval que cada dia tem combates com o inimigo, e a ocidente de Mariupol e na própria Mariupol têm lugar revoltas populares, porque as pessoas perdem o emprego, a possibilidade de sustentar as famílias e assim por diante", assinalou.

    Esta não é a primeira acusação feita a Moscou por parte de militares ucranianos na reserva. Anteriormente, o ex-vice-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia, Igor Romanenkov, declarou que a Rússia elaborou um plano para "conquistar" o Sul e Leste da Ucrânia. Especial receio, na sua opinião, incutem as lanchas russas posicionadas no mar de Azov e equipadas com mísseis de cruzeiro Kalibr.

    Em resposta, os especialistas declaram que não há "sentido ou necessidade" de a Rússia realizar uma expansão militar, mas o objetivo de tais declarações é "aparecer na mídia com esperança de algum futuro político".

    Anteriormente, o vice-ministro dos Assuntos dos Territórios Ocupados da Ucrânia, Georgy Tuka, comentou que Kiev não tinha "nada" para contrapor à Marinha russa no mar de Azov, por isso planejava pedir ao Conselho de Segurança da ONU ou à OTAN a realização de escoltas marítimas.

    Mais:

    Presidente da Ucrânia expressa confiança pela paz no Donbass com missão da ONU
    Crimeia contra-ataca proposta da Ucrânia de destruir ponte russa
    Exército da Ucrânia sofre baixas tentando romper defesa em Donbass, informa Lugansk
    Liberdade de imprensa? Jornalista russo completa 100 dias de detenção na Ucrânia
    Tags:
    provocação, revolta, Marinha, Mar de Azov, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik