13:09 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, discursando em Londres.

    Jeremy Corbyn diz que mídia britânica é a ‘menos confiável' da Europa e propõe reforma

    © AP Photo / Dominic Lipinski
    Europa
    URL curta
    551

    O líder trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, disse nesta quinta-feira (23) que a mídia britânica é a "imprensa menos confiável da Europa" e sugeriu que reformar a mídia de massa do país a tornaria mais livre e democrática.

    "A mídia britânica é a menos confiável da Europa […]. Os donos e os editores da maioria dos jornais do país rebaixaram o nível de tal maneira que seus jornalistas, que trabalham duro, simplesmente não têm a confiança do público […]. Muito de nossa imprensa não é livre […]. Então, hoje quero fazer algumas sugestões de como podemos construir uma mídia digital e democrática em meio à era digital", disse Jeremy Corbyn, conforme citado no próprio site do partido Trabalhista.

    Entre outras ideias, Corbyn propôs dar suporte aos jornalistas investigativos voltados ao interesse público e que trabalham de forma local. Para isso, ele acredita, é necessário que lhes seja garantido um status especial que possa lhes dar acesso a fundos de caridade.

    "Acho que devemos ser mais ambiciosos. Atualmente, ministros podem vetar os comunicados FOI [sigla em inglês para liberdade de informação. O FOI serve para requisitar do governo informações de interesse público]. Em duas ocasiões, esse veto foi utilizado para barrar informação sobre a decisão do Reino Unido de dar continuidade à ação militar contra o Iraque. Isso não pode estar certo. Nós buscaremos o fim do veto ministerial para prevenir que o Comissário de Informação seja desautorizado", disse o político.

    O escritório do Comissário de Informação britânico é um órgão público que responde diretamente ao Parlamento do país e funciona para a proteção dos direitos à informação.

    Ele também sugeriu inspecionar a BBC com o intuito de torná-la mais democrática, representativa, e independente, assim como criar uma nova empresa pública de mídia, "irmã" da BBC, a British Digital Corporation.

    Entre outras coisas, ele criticou o poder do governo sobre a BBC, como na determinação da taxa cobrada sobre os cidadãos, hoje em £50.50 por ano, cerca de R$ 264,55 na cotação atual.

    "A BBC foi feita para ser independente, mas seu caráter garante ao governo o poder de apontar o presidente e quatro diretores, além de determinar o valor da taxa cobrada pela empresa. Uma proposta seria simultaneamente reduzir a influência política na BBC enquanto se empodera sua força de trabalho e os assinantes que a financiam. Isso seria feito dando poderes aos assinantes para elegerem membros do conselho da BBC, por exemplo, diretores-executivos assim como diretores comuns", enfatizou Corbyn.

    Na semana passada, a mídia divulgou que o partido Trabalhista registrou uma reclamação em uma organização britânica de proteção da mídia independente. A reclamação seria em relação a jornais por terem supostamente interpretado mal o ato de Corbyn de deixar uma coroa de flores em um cemitério, em 2014, durante visita à Tunísia. Mais tarde o líder trabalhista afirmou que seu partido estaria sob a maior hostilidade da mídia desde sempre.

    Mais:

    Netanyahu e Jeremy Corbyn trocam acusações nas redes sociais
    Robôs russos tentaram influenciar Corbyn em eleição no Reino Unido, diz imprensa britânica
    Com Theresa May sitiada, Corbyn ainda acredita na possibilidade de ser primeiro-ministro
    Apoiadores do Partido Trabalhista do Reino Unido queimam jornais que falam mal de Corbyn
    Obama e Corbyn concordam: Grã-Bretanha deve ficar na União Europeia
    Tags:
    regulação da mídia, mídia ocidental, Partido Trabalhista britânico, BBC, Jeremy Corbyn, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik