06:38 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    O co-fundador do WikiLeaks, Julian Assange, faz um discurso perante jornalistas e manifestantes de uma varanda da Embaixada do Equador em Londres.

    Greenwald: Assange provavelmente será preso no Reino Unido após ser despejado pelo Equador

    © Sputnik / Alex MacNaughton
    Europa
    URL curta
    526

    O Reino Unido e o Equador vêm empreendendo esforços diplomáticos para resolver a questão de Julian Assange, que há seis anos vive exilado na embaixada do Equador. O fim da longa disputa diplomática está próximo do fim, afirmou o jornalista que trabalhou no caso Snowden, Glenn Greenwald.

    O presidente equatoriano Lenín Moreno admitiu publicamente na semana passada que "nunca esteve a favor" de asilar Assange. Moreno afirmou que tem trabalhado para expulsar o hóspede problemático.

    WikiLeaks founder Julian Assange is seen on the balcony of the Ecuadorian Embassy in London, Britain, May 19, 2017
    © REUTERS / Peter Nichollspe
    Em entrevista à ABC News, o jornalista norte-americano ganhador do Pulitzer, Glenn Greenwald, afirmou que o Equador vem enfrentando pressão da Espanha, do Reino Unido e dos Estados Unidos em meio ao caso de Assange.

    Segundo Greenwald, o único impedimento para retirar o asilo de Assange é sua cidadania equatoriana, concedida em 2016. O Reino Unido e o Equador estão agora "pensando em tentar retroativamente rescindir a cidadania, e trabalham nos detalhes finais".

    O jornalista supostamente será preso no momento em que pisar fora do terreno da embaixada. Ele deveria ter comparecido a uma audiência de extradição para a Suécia em 2012, mas preferiu se instalar na propriedade equatoriana, sendo protegido politicamente pelo então presidente Rafael Correa.

    Greenwald defendeu que a extradição de Assange para os EUA caberia aos juízes do Reino Unido, já que eles são "mais independentes" de Washington do que seu governo.

    Julian Assange atraiu a atenção internacional em 2010, quando seu projeto WikiLeaks revelou grandes quantidades de documentos sigilosos e sensíveis sobre as guerras no Afeganistão e no Iraque, provocando um escândalo internacional. Washington lançou uma investigação sobre o WikiLeaks e processou Assange sob a Lei de Espionagem.

    Logo após os escandalos, Assange enfrentou acusações de abuso sexual e estupro de duas mulheres suecas, o que ele nega e diz ser uma denúncia  politicamente motivada. Em dezembro de 2010, ele foi preso pela polícia de Londres e libertado sob fiança. Temendo extradição para a Suécia e em seguida, aos EUA, o jornalista rompeu sua fiança e buscou refúgio na embaixada equatoriana em Londres em junho de 2012, onde vive desde então.

    Promotores suecos já abandonaram a investigação criminal desde maio de 2017, mas o Reino Unido se recusa a reconsiderar a pena do ativista por não ter comparecido à audiência há seis anos. Como não tem salvo-conduto para deixar a embaixada, Assange se protege sob a égide da inviolabilidade diplomática, que determina a impossibilidade de ação de autoridades locais dentro das instalações do Estado em território estrangeiro (exceto em casos de comum acordo).

    Tags:
    Lei de Espionagem, Embaixada do Equador em Londres, ABC News, Glenn Greenwald, Lenín Moreno, Rafael Correa, Julian Assange, Espanha, Afeganistão, Iraque, Londres, Suécia, Equador, Reino Unido, Estados Unidos, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik