10:23 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, fala com o presidente dos EUA, Donald Trump, durante a cúpula do G7 no Canadá

    Alemanha afirma que tensões comerciais entre EUA e Europa estão diminuindo

    © AP Photo / Jesco Denzel/German Federal Government
    Europa
    URL curta
    324

    A relação comercial entre os Estados Unidos e a Europa está melhorando, disse a ministra da Agricultura da Alemanha, Julia Kloeckner, neste sábado (28), apesar de que não há garantias de que a União Europeia (UE) comprará a quantidade de soja que Washington espera.

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, órgão executivo da UE, fecharam um acordo surpresa na quarta-feira (25) que pôs fim ao risco de uma guerra comercial entre as duas potências.

    Após o acordo, Donald Trump destacou os benefícios para os agricultores dos EUA. "A União Europeia vai começar, quase imediatamente, a comprar muita soja", disse ele a repórteres.

    Donald Trump, com o guarda-chuva virado do avesso pelo vento forte, se preparando para descer do Air Force One durante sua visita a base aérea de Andrews (Maryland), 28 de abril de 2018
    © AP Photo / Pablo Martinez Monsivais
    Já Kloeckner, em entrevista à Reuters nos bastidores de uma reunião do G20 em Buenos Aires, disse que a quantidade de soja que a Europa importará ainda será determinada.

    "Seremos capazes de fazer o que o presidente Trump quer? Eu não sei. Vamos ver se esse será o caso ou não", disse ela.

    A UE deve importar 15,3 milhões de toneladas de soja na safra 2018/19, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos de 12 de julho. Os Estados Unidos são o segundo maior exportador mundial de sementes oleaginosas, atrás apenas do Brasil.

    Após a reunião de quarta-feira (25) na Casa Branca, Trump concordou em não impor tarifas sobre automóveis, enquanto a União Europeia e os Estados Unidos iniciam conversações sobre a retirada de outras barreiras comerciais.

    Trump enfrentou uma reação de alguns fazendeiros e legisladores dos Estados Unidos após de anunciar na terça-feira (24) um pacote de ajuda de US$ 12 bilhões para estimular os produtores atingidos pela escalada da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

    A China impôs tarifas a produtos agrícolas, incluindo soja, após Washington impor tarifas sobre produtos chineses.

    "Muitos agricultores dos EUA estão sob muita pressão causada principalmente pelas tarifas retaliatórias e estão sofrendo muito", disse Kloeckner.

    "Se você tiver em mente que muitos desses agricultores são apoiadores do presidente Trump, eles realmente sentiram a pressão. Acho que isso realmente ajudou Trump a entender que essas tarifas podem ser potencialmente prejudiciais e que ele agora percebeu e estamos caminhando para uma situação mais positiva", disse ela.

    Outras autoridades europeias também expressaram alívio depois que Trump e Juncker concordaram em resolver sua disputa comercial transatlântica.

    "É bom que a UE e os Estados Unidos se unam e concordem em manter a conversa, ao invés de vermos uma exacerbação da disputa comercial", acrescentou Kloeckner.

    Mais:

    Polícia investiga pacote suspeito perto da Trump Tower
    Brasil deveria pressionar mais Trump para devolver crianças separadas, diz especialista
    'Você vai começar guerra, mas seremos nós a acabá-la', diz comandante iraniano a Trump
    Ministro de Relações Exteriores alemão diz que Trump não pode dividir a Europa com tarifas
    Tags:
    soja, agricultura, relações comerciais, tarifas, guerra comercial, Casa Branca, União Europeia, Jean-Claude Juncker, Donald Trump, Estados Unidos, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik