13:41 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Tanque T-84 Oplot das Forças Armadas da Ucrânia

    Em base abandonada na Ucrânia, são encontrados tanques preparados para combate (FOTO)

    © Sputnik / Grigoriy Vasilenko
    Europa
    URL curta
    171

    Dois caçadores de lugares abandonados revelaram uma base ucraniana desativada, onde encontram tanques totalmente prontos para combate. O vídeo do local foi publicado no canal no YouTube Dima Total.

    De acordo com a descrição dos autores do vídeo, eles estavam investigando instalações abandonadas, procurando bunkers ou abrigos antiaéreos, quando, de repente, encontraram cerca de trezentos antigos tanques soviéticos, junto com aproximadamente dez "novos" T-64, bem como um veículo para seu transporte.

    ​Segundo eles, os veículos de combate tinham obturador, se encontrando em plena prontidão de combate.

    Os autores não divulgaram a localização exata da base.

    Posteriormente, o Ministério da Defesa ucraniano afirmou que o vídeo mostrando equipamento militar em uma alegada "base militar abandonada", não corresponde à realidade. De acordo com ele, as imagens foram captadas em uma fábrica na cidade de Carcóvia. 

    "O referido vídeo foi feito no território de uma das fábricas em Carcóvia, e não em umas das unidades militares das Forças Armadas da Ucrânia", lê-se no comunicado divulgado pelo ministério. 

    Anteriormente, o ex-militar ucraniano Aleksei Bobovnikov afirmou que a capacidade de produção da fábrica ucraniana dos veículos de combate T-84 Oplot atinge somente dez unidades por ano. Por este motivo, Kiev vai demorar uma década para abastecer uma brigada de tanques com uma centena destes blindados, mas até lá, os veículos se tornarão obsoletos.

    Mais:

    Conheça nova versão do 'assassino de tanques' russo (FOTO)
    Radicais sírios entregam seus tanques e armas ligeiras a Damasco
    Argélia transforma blindados soviéticos em 'assassinos de tanques' (VÍDEO)
    Tags:
    base, tanques, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik