11:27 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Desfile das tropas estonianas em homenagem ao Dia da Independência da Estônia em Narva

    Caso de 'psiquiatria': especialista sobre planos do militar estoniano de vencer a Rússia

    © AP Photo / Liis Treimann
    Europa
    URL curta
    5101

    Um comandante estoniano contou como ele "derrotaria" o exército russo. Em entrevista ao serviço russo da rádio Sputnik, o chefe do Centro de Estudo de Problemas Sociais Aplicados de Segurança Nacional, Aleksandr Zhilin, vinculou a declaração à cúpula da OTAN iniciada em Bruxelas.

    Anteriormente, o comandante das Tropas Especiais das Forças Armadas da Estônia, coronel Riho Uhtegi, descreveu como "venceria" o exército russo.

    ''Essa questão sempre provoca discussões. Por exemplo, os russos atingiriam Tallinn [capital estoniana] em dois dias. Pode ser. Mas não conseguiriam conquistar toda a Estônia em dois dias. Poderiam alcançar Tallinn, mas cortaríamos suas linhas de comunicação, de abastecimentos e todas as outras. Chegariam a Tallinn em dois dias, mas morreriam em Tallinn. E eles sabem isso", advertiu Uhtegi em entrevista à Politico.

    Segundo o coronel, conter a Rússia exige a participação não só de militares, mas de todos os estonianos. "Tentamos explicar às pessoas que a resistência durante a guerra começa hoje. Devemos estar prontos para tudo e ensinar as pessoas o que devem fazer se algo acontecer", afirmou.

    Mais cedo, o ex-presidente da Estônia, Toomas Hendrik Ilves, disse à imprensa que a Rússia poderia perder o controle sobre São Petersburgo, Tomsk e Omsk se decidir atacar a Estônia.

    Durante a entrevista, o especialista militar Zhilin comentou estas declarações.

    "As declarações dos líderes militares estonianos sobre a Rússia supostamente estar pronta para atacar hoje ou amanhã […] tem mais relação com a psiquiatria do que com a política militar. A Federação Russa nem sequer considera a possibilidade de progressão para ocidente ou para qualquer outro lugar. Estônia, Letônia e Lituânia não representam, neste sentido, nenhum interesse. Mas, como agora em Bruxelas está decorrendo a cúpula da OTAN, então eles provocam histeria em relação à 'política agressiva da Rússia'', disse o analista.

    ''E essa histeria ocorre em obediência à ordem 'ataca' proveniente de Washington. Há relatos de que a OTAN precisa posicionar 30 esquadrilhas na Europa Oriental, assim como 30 navios de guerra, e mantê-los em estado de prontidão", acredita Zhilin.

    Mais:

    O que 8 aviões suecos de combate fazem na Estônia?
    Estônia começa maiores manobras militares na história do país
    Estônia pretende falar com Rússia 'a partir de posição de força', aponta chanceler
    Estônia dá início aos exercícios Talvelaager 2018 com militares da OTAN
    Tags:
    bruxelas, derrota, militar, forças armadas, Exército, Cúpula da OTAN, OTAN, Tallinn, Estônia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik