20:01 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Secretário de Estado da Grã-Bretanha para a saída da União Europeia, David Davis.

    Ativista: Crise de renúncias do Reino Unido pode levar a repensar estratégias do Brexit

    © Sputnik / Alex Mcnoton
    Europa
    URL curta
    230

    A série de demissões no governo do Reino Unido por divergências na saída do país da UE pode se tornar um catalisador para as autoridades reconsiderarem seus modelos pós-Brexit e apresentarem propostas mais viáveis, afirma o porta-voz da campanha eurocética John Petley à Sputnik.

    O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, renunciou nesta segunda-feira, menos de um dia após a saída do ministro do Brexit, David Davis. A renúncia deste último foi causada por divergências com o plano da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, de sair da União Europeia.

    "Eles [o governo do Reino Unido] andaram em círculos [durante as conversas do Brexit com a União Europeia], fazendo propostas após propostas e a União Europeia continua dizendo não. E acho que a declaração de [Theresa May sobre a estratégia do Brexit] teria ido exatamente da mesma maneira, a UE teria dito não. Então, na verdade, isso teria sido uma tempestade em um copo d'água até cerca de 24 horas atrás. Agora está se tornando muito sério e para ser honesto eu acho que poderia ser para melhor. Poderia ser o catalisador que é necessário para forçar uma mudança de direção", disse Petley.

    Possibilidade de rever as estratégias 

    De acordo com Petley, a crise atual pode servir como um novo ímpeto para o governo reconsiderar sobriamente suas estratégias "fúteis" do Brexit e mudar seu foco para modelos que foram anteriormente negligenciados ou descartados.

    "Quanto maior a crise chegar, mais cedo vamos ver esses planos fúteis do Brexit sendo substituídos por algo melhor. Acho que estamos nos aproximando de uma situação em que as únicas opções vão simplesmente desabar ou dar à EFTA [Associação Europeia de Livre Comércio]. um olhar mais profundo", observou ele.

    Moção de confiança

    Quando perguntado sobre a possibilidade de um desafio à moção de confiança de May, Petley sugeriu que isso dependeria de como a primeira-ministra lidaria com a situação nos próximos dias. Ele notou que também era vital para ela não mostrar fraqueza, já que isso custaria apoio dos Conservadores em muitas de suas bases. Caso contrário, a situação pode resultar no desembarque dos parlamentaresm no governo disse ele.

    "Theresa May tem sido uma Conservadora vitalícia e está muito comprometida com o partido. Mas realmente se ela estragar tudo, será a crise de seu partido comparada àquela desencadeada pela revogação da Corn-law [sobre tarifas sobre alimentos importados e grãos] em 1846, que gerou um período de 28 anos longe do gabinete”, observou ele.

    O ativista enfatizou que a renúncia de Johnson colocou as posições de May em maior risco, já que ele era o rosto da diplomacia britânica e da posição de negociação aos olhos dos parceiros da UE.

    "Boris era a principal interface entre este país e a UE… e isso basicamente sumiu. Quero dizer, ele era o secretário do Exterior, David Davis era basicamente o  seu porta-voz. Isso vai acumular a pressão sobre ela e vai tornar provável um desafio à moção de confiança", disse Petley.

    Nenhum candidato à vista até agora

    O ativista, no entanto, achou difícil sugerir quem poderia substituir May, questionando que Johnson era a pessoa certa para assumir o comando.

    "Mas quem seria? Eu não acho que Boris é necessariamente a pessoa que seria a escolha óbvia. Eu não acho que ele se destacou como secretário de Relações Exteriores e há muitas pessoas que não gostam dele. Eu não conheço o homem… mas ele não é realmente o tipo de pessoa que tem o que é preciso para liderar o país ", ressaltou.

    O Reino Unido votou para deixar a União Europeia em um referendo em 2016, mas a votação deixou o país dividido quase igualmente entre "Ficar" e "Sair" do bloco. O modelo de uma futura parceria econômica e a questão da fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte provaram ser os assuntos mais contenciosos, tanto nas negociações com Bruxelas como nos debates no seio do gabinete do Reino Unido, o que levou às renúncias.

    Tags:
    Moção de confiança, Corn-law, Brexit, Secretaria de Relações Exteriores do Reino Unido, Conservadores, Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA), União Europeia, John Petley, Theresa May, David Davis, Boris Johnson, República da Irlanda, Irlanda do Norte, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik