11:41 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Militares ucranianos durante manobras internacionais Rapid Trident-2016

    Ucrânia inventa 'supermanobra' para aderir à OTAN

    © Sputnik / Stringer
    Europa
    URL curta
    439

    A Ucrânia pode assegurar sua adesão à OTAN por meio de uma colaboração militar mais estreita com o Ocidente, afirmou o chefe do Centro de Estudos do Exército, Conversão e Desarmamento ucraniano, Valentin Badrak.

    Ele admitiu que, por enquanto, os problemas territoriais do país impossibilitam a adesão de Kiev à aliança, contudo, segundo ele, existe um método de resolver este problema de forma mais rápida. 

    "Há, claro, uma supermanobra, mas é difícil dizer se o Ocidente concorda com ela", afirmou Badrak em entrevista à edição Apostrof.

    A "supermanobra", sugerida pelo analista prevê a instalação no território da Ucrânia de uma base de defesa antiaérea dos EUA, bem como de várias divisões dos sistemas de mísseis Patriot, assegurando assim uma "barreira" por meio das unidades da OTAN no país.

    Badrak acrescentou que neste caso, a Ucrânia vai se sentir "mais protegida" do que os países do Báltico.

    Em dezembro de 2014, os deputados da Suprema Rada adotaram emendas às leis que anteriormente estabeleciam o status da Ucrânia como país não-alinhado. Em junho de 2016, a entrada do país na OTAN foi oficialmente reconhecida como objetivo da política externa do país. 

    Em conformidade com os acordos entre Kiev e Bruxelas, a Ucrânia deve assegurar, até 2020, a plena compatibilidade de suas Forças Armadas com as da Aliança Atlântica.

    Por sua vez, o ex-secretário gera da OTAN, Anders Fogh Rasmussen assinalou que, para aderir à aliança, a Ucrânia deve cumprir várias exigências, cuja realização pode demorar anos. Segundo vários especialistas, Kiev precisará de ao menos 20 anos para fazê-lo. 

    Mais:

    Mísseis americanos Javelin fornecidos à Ucrânia se teriam recusado a disparar
    No que resulta discórdia entre Ucrânia e Rússia semeada por EUA? Deputado ucraniano avalia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik