13:48 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Exército ucraniano em Donbass

    Por que Crimeia e Donbass não poderiam ser retomados à força? Político ucraniano explica

    © AFP 2018 / Sergey Polezhaka
    Europa
    URL curta
    10292

    O ex-ministro da Defesa da Ucrânia Anatoly Gritsenko explicou as consequências de uma tentativa de tirar a Crimeia da Rússia à força.

    Segundo o político, existe um "plano não oficial" para acabar com o conflito em Donbass e esse cenário não prevê métodos de força.

    "Eu posso dizer que, se a Ucrânia elegesse um presidente que tentasse tomar a Crimeia e Donbass à força, as sanções à Rússia seriam retiradas e introduzidas contra nós, e assim a Ucrânia iria acabar", declarou Gritsenko em entrevista ao portal Lb.ua.

    Ele também observou que esse plano não será implementado.

    "Por que ele não está sendo realizado? Por dois motivos. O primeiro é que o plano é projetado para três a cinco anos e ele não será negociado com autoridades a quem resta menos de um ano [no poder]. O segundo motivo é a incapacidade das autoridades ucranianas de manter a palavra. Não apenas perante os seus cidadãos, mas também perante os parceiros. Por isso, com o atual presidente esse plano não será implementado", explicou o ex-ministro da Defesa.

    Não é a primeira vez que a Ucrânia fala sobre o "retorno" da Crimeia e de Donbass. Previamente, o ex-presidente do país Leonid Kravchuk declarou que para acabar com o conflito em Donbass é preciso criar na região uma "organização da vida" especial, diferente da das outras regiões do país.

    A Crimeia tornou-se novamente território da Rússia em março de 2014 em virtude do resultado do referendo realizado depois do golpe de Estado na Ucrânia. A favor da reunificação com a Rússia votaram 96,77% dos eleitores da República da Crimeia e 95,6% de Sevastopol.

    Mais:

    No que resulta discórdia entre Ucrânia e Rússia semeada por EUA? Deputado ucraniano avalia
    Presidente da Ucrânia reafirma vontade de levantar bandeira ucraniana em Sevastopol
    Especialista: Ucrânia não tem potencial para criar míssil 'poderosíssimo'
    Tags:
    plano, sanções, força, Leonid Kravchuk, Crimeia, Donbass, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik