01:47 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Caça F-35 da Força Aérea dos Estados Unidos, foto de arquivo

    Itália não vai comprar mais caças F-35 norte-americanos?

    © AP Photo / Rick Bowmer
    Europa
    URL curta
    10253

    A Itália não vai comprar mais caças norte-americanos F-35 que produz juntamente com os seus aliados da OTAN, declarou a ministra da Defesa do país, Elisabetta Trenta.

    "Partindo da análise que fizemos, reduzir [o programa] me custa mais do que manter. Não vamos comprar mais F-35", declarou ela na sexta-feira (6) ao canal de televisão La7.

    Conforme a mídia italiana, as Forças Armadas da Itália já receberam dez aviões. O programa de produção e compra a longo prazo pressupõe 90 aviões, oito dos quais já foram encomendados em abril antes do fim dos trabalhos do governo anterior.

    "Avaliamos todas as consequências disso. Mas vale lembrar que nestas circunstâncias a redução vai levar a multas. Mas nós certamente não vamos comprar nenhum desses aviões", ressaltou.

    De acordo com Trenta, a situação com os caças tem a ver não só com as tecnologias, mas também com o emprego, por isso é necessário avaliar o custo da redução ou manutenção da sua produção.

    "Do ponto de vista político, gostaríamos de prolongar o período em que temos que comprar os F-35, o que iria permitir aumentar o orçamento para os investimentos, em particular, nos projetos europeus", notou a ministra.

    Mais tarde, ela escreveu no seu Facebook que a Itália sempre foi criticada por causa do programa, por isso, em meio aos contratos firmados pelo governo anterior, as autoridades italianas atuais vão fazer uma avaliação minuciosa que visa respeitar os interesses nacionais.

    Mais:

    EUA temem vazamento de tecnologias do F-35? Já tudo é conhecido, diz analista
    Mídia: Reino Unido e EUA temem que Rússia tenha acesso à tecnologia secreta dos F-35
    'Pura fachada': analistas falam sobre último teste de bomba nuclear nos EUA
    Tags:
    contrato, compras, F-35, caça, OTAN, Itália, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik