07:22 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Sputnik

    Editor-executivo da Sputnik Letônia é detido pela polícia de Riga e liberado após 12 horas

    © Sputnik / Konstantin Chalabov
    Europa
    URL curta
    532

    O editor-executivo da Sputnik Letônia, Valentins Rozhentsovs, relatou nesta quinta-feira (5), que no dia anterior foi detido pela polícia de segurança de Riga e liberado após 12 horas.

    Segundo Rozhentsovs, ele foi detido ao chegar de Moscou às 22h40 da quarta-feira (4) do horário local (16h40, horário de Brasília). A polícia realizou uma conversa com o detido sem registrá-la.

    "A polícia de segurança estava interessada no meu trabalho como editor-executivo da Sputnik Letônia e no trabalho da própria mídia", comentou.

    O editor-executivo contou que passou a noite inteira nos escritórios da polícia letã e foi liberado pouco menos de 12 horas depois. Isso não é considerado uma detenção formal conforme a legislação do país. Valentins Rozhentsovs veio a Riga na quarta-feira (4) a trabalho. Ele possui cidadania letã.

    A assessoria de imprensa da Sputnik comentou a detenção de seu editor-executivo, sublinhando que a pressão sobre jornalistas virou uma coisa comum nos países do Báltico.

    "A pressão sobre nossos jornalistas se tornou norma nos Países Bálticos. Os Estados democráticos europeus estão preocupados com a popularidade crescente da Sputnik na Letônia, Lituânia e Estônia, pois a agência apresenta uma visão diferente da única considerada certa [nestes países]", diz o comunicado da assessoria de imprensa.

    A chancelaria russa, por sua vez, afirmou que a detenção do editor-executivo da Sputnik Letônia tem por objetivo pressionar a política da redação da agência, e que iria acompanhar a situação.

    O ministério russo prometeu discutir o assunto com a OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) e outras instituições.

    Tags:
    detenção, polícia, segurança, RIA Novosti, Sputnik, Valentins Rozhentsovs, Riga, Letônia, Moscou
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik