11:38 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Dassault Rafale, jato francês, faz um voo de demonstração

    França dobra suas vendas de armas para o Oriente Médio em 1 ano

    © REUTERS / Pascal Rossignol
    Europa
    URL curta
    622

    As vendas de armas da França ao Oriente Médio dobraram em 2017 na comparação com 2016, mostrou um relatório do governo, enquanto o presidente Emmanuel Macron desafia a pressão de legisladores e grupos de direitos humanos para conter o fluxo de armas para a região.

    A França está entre os principais exportadores de armas do mundo, suas vendas cresceram nos últimos anos graças aos seus primeiros contratos de venda de caças Rafale, principalmente para a Índia e o Qatar, além de um acordo de vários bilhões de submarinos com a Austrália.

    Paris buscou aumentar seu peso diplomático no Oriente Médio através da venda de navios, tanques, artilharia e munições para os Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Egito.

    O relatório anual do governo sobre vendas de armas, divulgado na quarta-feira, mostra que as vendas totais de armas da França caíram para 7 bilhões de euros em 2017, em linha com os anos anteriores, onde não foram registrados contratos importantes, como o Rafale, da Dassault.

    No entanto, cerca de 60% das vendas foram para o Oriente Médio, com exportações de armas para a região no valor de 3,92 bilhões de euros, ante 1,94 bilhão de euros no ano anterior.

    As vendas para a Arábia Saudita caíram ligeiramente, enquanto os negócios para os Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Qatar subiram.

    As maiores empresas de defesa da França, incluindo a Dassault e a Thales, têm contratos importantes com o Golfo Pérsico.

    "Não é para a França concluir transações fragmentadas dependendo das oportunidades de mercado. O objetivo é criar um forte vínculo com os estados importadores", disse o relatório. "As exportações de armas da França atendem às necessidades legítimas dos estados."

    A França é agora o terceiro maior exportador de armas do mundo, atrás dos Estados Unidos e da Rússia, de acordo com o Instituto de Pesquisa da Paz Internacional de Estocolmo.

    Ao contrário de muitos aliados, os procedimentos de licenciamento de exportação da França não têm controle parlamentar. Eles são aprovados por um comitê liderado pelo primeiro-ministro que inclui os ministérios de Defesa, Fazenda e Relações Internacionais.

    Os detalhes das licenças não são públicos e, uma vez aprovados, raramente são revisados.

    Organizações não-governamentais (ONGs) e alguns legisladores pediram que Macron diminua o apoio aos países árabes que fazem parte de uma ofensiva liderada pela Arábia Saudita no Iêmen contra combatentes do movimento houthi, alinhado com o Irã, que controla a capital.

    O governo francês diz que suas vendas de armas são regidas por procedimentos rigorosos que estão de acordo com os tratados internacionais.

    Quatro ONGs, incluindo a Federação Internacional de Direitos Humanos, acusaram na segunda-feira o Estado francês e várias empresas francesas de participarem tacitamente de uma repressão do governo egípcio contra grupos de oposição nos últimos cinco anos.

    Mais:

    EUA dizem que França será seu parceiro número 1 se Londres não aumentar despesas na OTAN
    Revolução das verduras está chegando à França
    Alemanha e França propõem criação de Conselho de Segurança da União Europeia
    Novo tanque europeu faz sua estreia na França (FOTOS)
    Mulher gritando 'Allahu Akbar' ataca com faca pessoas na França
    Espanha pode extraditar migrantes que autorizou receber após disputa entre Itália e França
    Em jogo morno, árbitro de vídeo estreia em Copas do Mundo e ajuda a França
    Tags:
    Dassault, Emmanuel Macron, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik