13:40 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Crianças de imigrantes ilegais que foram presos ao tentar entrar nos EUA são separadas das famílias e colocadas em jaulas.

    Theresa May promete cobrar Trump e se diz 'perturbada' com crianças presas nos EUA

    © AP Photo / U.S. Customs and Border Protection's Rio Grande Valley Sector
    Europa
    URL curta
    361

    A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, disse nesta quarta-feira (20) que sentiu-se perturbada ao ver as fotos de crianças imigrantes trancadas em jaulas nos Estados Unidos. Ela ainda afirmou que que pretende levantar a questão com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

    A administração Trump sofreu críticas intensas por sua política de fronteira após imagens recentes de uma instalação de detenção no Texas mostrando crianças trancadas em jaulas.

    "As fotos de crianças presas no que parecem ser gaiolas são profundamente perturbadoras, isso é errado, isso não é algo com o qual concordamos, essa não é a abordagem do Reino Unido […]. É importante que nos certifiquemos de que, quando virmos o presidente dos Estados Unidos aqui no Reino Unido, possamos ter essas discussões, o que significa que, quando discordamos do que estão fazendo, nós dizemos", disse May no Parlamento britânico.

    Quase 2 mil crianças imigrantes foram separadas à força de seus pais entre 19 de abril e 31 de maio, após prisões envolvendo entrada ilegal nos Estados Unidos, segundo o Departamento de Segurança Interna dos EUA.

    Mais:

    Crise sem fim: Irã descarta a possibilidade de conversar com Trump
    Trump estaria impedindo entrada de produtos chineses para cumprir promessas pendentes?
    Trump ameaça aplicar tarifas extras sobre $200 bilhões de bens chineses
    Trump anuncia criação da Força Espacial Militar dos Estados Unidos
    Melania Trump diz 'detestar' nova política de tolerância zero com migrantes ilegais
    Tags:
    política de imigração, imigrantes ilegais, Donald Trump, Theresa May, Estados Unidos, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik