04:45 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira nacional da Suécia

    Político sueco é alvo de ataques após dizer que judeus e lapões 'não são suecos'

    © flickr.com/ debjam
    Europa
    URL curta
    122

    O vice-presidente do Parlamento sueco, Bjorn Soder, foi criticado por alegar que judeus e lapões não são "suecos". A polícia até recebeu uma queixa formal sobre o comentário, segundo a imprensa local.

    Membro sênior dos Democratas Suecos que atualmente serve como vice-presidente do Parlamento, Soder fez as declarações na página do Facebook do Partido Central da Suécia, em resposta às alegações de racismo da líder do partido, Annie Loof.

    "Annie Loof afeta adversamente a posição dos judeus e lapões na Suécia, quando ela indiretamente afirma que eles são suecos", escreveu. "Esses grupos têm posições minoritárias na Suécia apenas porque não são suecos. Que vergonha para você, Annie Loof, pela sua atitude racista".

    Loof já havia criticado comentários feitos por Soder em 2014, quando ele disse que enquanto lapões, judeus e outros grupos minoritários desfrutam da cidadania sueca, eles ainda fazem parte de seus próprios grupos étnicos distintos.

    Os lapões são um povo indígena que habita a Lapônia, que hoje abrange grande parte da Noruega e da Suécia, partes do norte da Finlândia e a região de Murmansk, na Rússia.

    Loof publicou uma captura de tela do que ela disse que foram os comentários de Soder em sua conta no Instagram, alegando que eles revelaram os tons racistas de seu partido.

    "O problema com os Democratas da Suécia não é apenas sua história, mas também que a divisão de pessoas continua até hoje. E nos níveis mais altos de sua liderança", escreveu ela. "Como cidadão você é sueco, quer você pertença a uma minoria nacional ou não".

    Nem todos concordaram com a avaliação de Loof, no entanto. "Por que, por exemplo, um homem deveria ser forçado a se ver sueco em primeiro lugar quando não o vê? Porque você gosta disso?", respondeu um usuário do Instagram.

    Os comentários de Soder foram relatados às autoridades como um potencial crime de ódio, de acordo com relatos da mídia local. No entanto, a polícia abandonou a investigação pouco depois de receber a queixa.

    Falando com a emissora nacional SVT sobre o incidente, Soder acusou Loof de se envolver em táticas "baixas", tirando seus comentários fora de contexto para marcar pontos políticos baratos.

    "Cabe a cada indivíduo identificar sua própria nacionalidade. Quando falamos de minorias, é para apoiar sua distinção e direitos especiais. Acusar-me é distorcer todos os 180 graus e deliberadamente interpretar mal todo o debate", afirmou Soder à SVT.

    Mais:

    Suécia aprova construção do gasoduto Nord Stream 2 que ligará Rússia com Europa
    'Momento histórico': Suécia remilitariza sua maior ilha do Báltico
    Treinamentos marítimos russos se tornam 'brincadeira nacional' da Suécia, diz analista
    Tags:
    política, nacionalismo, preconceito, racismo, antissemitismo, diplomacia, SVT, Partido Central da Suécia, Partido Democratas Suecos, Annie Loof, Bjorn Soder, Rússia, Finlândia, Noruega, Lapônia, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik