16:51 23 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Giuseppe Conte, primeiro-ministro da Itália

    Premiê italiano acha 'difícil, senão impossível' resolver crises mundiais sem a Rússia

    © REUTERS / Yves Herman
    Europa
    URL curta
    2100

    Moscou é essencial para resolver impasses em crises internacionais em curso, insistiu o novo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte. Ele pediu aos países ocidentais que procurem dialogar com a Rússia, em vez de se esquivarem.

    "Sem o envolvimento da Rússia, é difícil, se não impossível, encontrar as únicas soluções realistas e duradouras para as crises mundiais", disse Conte durante uma entrevista coletiva com o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg. Ele endossou a chamada 'abordagem dupla' da OTAN para Moscou — misturando postura de defesa e mantendo o diálogo.

    Observando que a Rússia desempenha "um papel essencial" nos assuntos mundiais, o primeiro-ministro italiano pediu aos membros do bloco que se empenhem em conversações "mais eficazes" com Moscou, a fim de evitar mal-entendidos e uma "escalada perigosa".

    Conte, empossado no cargo em 1º de junho, lidera um governo composto por dois partidos anti-establishment, o Liga do Norte e o Movimento Cinco Estrelas, e que é conhecido por defender melhores laços com a Rússia e abandonar a política de sanções.

    Uma demanda para suspender as sanções a Moscou é parte do pacto político entre os dois partidos, e o próprio primeiro-ministro pediu uma revisão do sistema de sanções durante seu discurso de posse no Parlamento nacional, na semana passada.

    A Itália não é a única nação europeia que nem sempre se enquadra na posição coletiva da OTAN sobre medidas contra a Rússia. A Áustria, uma nação que não integra mas é um parceiro reconhecido, também foi chamada para melhorar o diálogo com Moscou.

    Notavelmente, durante as consequências do "caso Skripal", Viena, ao contrário de muitos outros Estados da Europa, optou por não expulsar diplomatas russos.

    "Podemos desenvolver o papel de uma ponte entre as nações", disse o primeiro-ministro austríaco, Sebastian Kurz, em abril, explicando sua decisão de não rebaixar as relações diplomáticas com Moscou.

    O ex-agente duplo russo Sergei Skripal e sua filha Yulia foram envenenados em março, com uma substância que se acredita ser um agente nervoso de nível militar, na cidade britânica de Salisbury. Ambos, desde então, se recuperaram e receberam alta do hospital.

    Especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas e do Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa do Reino Unido em Porton Down não puderam identificar a fonte do agente, mas o governo britânico culpa a Rússia. Moscou nega veementemente a alegação.

    Mais:

    Estaria Ucrânia preparada para guerra contra Rússia? Seus próprios militares duvidam
    Rússia: EUA inventam inimigos inexistentes ao invés de combater terrorismo
    Ocidente se engana: com redução dos gastos militares, Rússia se tornará ainda mais temível
    Tags:
    sanções, política, relações bilaterais, russofobia, diplomacia, OTAN, Liga Norte, Movimento Cinco Estrelas, Jens Stoltenberg, Sergei Skripal, Sebastian Kurz, Giuseppe Conte, Europa, Áustria, Rússia, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik