08:26 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Estação elétrica em Kaliningrado

    Este é o maior medo dos países do Báltico diante da Rússia, diz mídia

    © Sputnik / Igor Zarembo
    Europa
    URL curta
    7312

    Os países do Báltico temem que a Rússia deixe de lhes fornecer eletricidade, escreveu a edição Helsingin Sanomat.

    De acordo com a revista, os governos do Báltico estão preocupados por terem em comum com a Rússia uma rodovia, gasodutos e oleodutos, bem como o sistema energético BRELL (sigla em russo), que liga a Lituânia, Letônia, Estônia, Rússia e Bielorrússia.

    Os antigos sistemas energéticos soviéticos continuam sendo utilizados, apesar de Tallinn, Riga e Vilnius terem ingressado na União Europeia há quase 15 anos. 

    Segundo a edição, a Rússia pode privar estes países de eletricidades caso Moscou abandone o BRELL em 2020, quando seu enclave, Kaliningrado, se tornar energeticamente independente. Em conexão a isso, as mesmas Estônia, Letônia e Lituânia pretendem deixar o sistema até 2025 para se juntarem ao sistema europeu que atravessa a Polônia. 

    Os especialistas entrevistados pela edição qualificaram os planos dos três países como um "projeto político", pondo em dúvida sua eficácia.

    "Os contribuintes carregarão gastos adicionais, enquanto a segurança energética não aumentará", disse um entrevistado.

    Estes países do Báltico anunciaram os seus planos de abandonar o BRELL ainda em outubro de 2017. No final de março, os representantes das autoridades dos três países se encontraram com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. A reunião acabou com a assinatura de um comunicado conjunto que prevê a ligação das redes elétricas dos países do Báltico através da Polônia até 2025. 

    Mais:

    Turquia: aquisição dos sistemas russos S-400 não ameaça OTAN
    OTAN enviará missão para treinamento das forças armadas iraquianas
    Chefe da OTAN: farsa da morte de jornalista russo na Ucrânia pode minar imprensa
    Tags:
    eletricidade, Lituânia, Letônia, Estônia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik