03:06 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Imagem do ex-espião russo Sergei Skripal em 9 de agosto de 2006, quando falava com o seu advogado atrás das grades fora de um tribunal de Moscou

    Alemanha ainda não viu 'nenhuma evidência' do envolvimento russo no caso Skripal

    © AP Photo / Misha Japaridze
    Europa
    URL curta
    1121

    O governo alemão não viu evidência alguma das autoridades britânicas que possam apoiar as alegações de Londres de que Moscou estava por trás do envenenamento dos Skripals, informou a mídia alemã.

    Mais de três meses desde o início da investigação sobre o envenenamento do ex-agente duplo russo Sergei Skripal e sua filha Yulia, o Reino Unido ainda está visivelmente fechado quando se trata de qualquer evidência real que possa provar suas acusações contra a Rússia.

    Na quarta-feira, o governo da Alemanha informou um comitê de supervisão parlamentar durante uma audiência fechada que ainda não recebeu nenhuma evidência sugerindo que a Rússia poderia estar por trás do incidente que ocorreu no início de março, informou a emissora de TV alemã RBB.

    "Só se sabe que o veneno usado no ataque foi um agente nervoso chamado Novichok, que já foi produzido na União Soviética", disse Michael Goetschenberg, correspondente da ARD alemã e especialista em serviços de segurança, à RBB, comentando os resultados da audiência que ele está familiarizado.

    Além desta informação, que foi divulgada pelas autoridades britânicas logo após o incidente, nenhum novo dado sobre a suposta implicação da Rússia neste caso foi fornecido à Alemanha até agora, acrescentou.

    A inteligência alemã também não encontrou traços russos neste caso até agora, disse Goetschenberg.

    "O BND, a inteligência estrangeira da Alemanha […] também contatou suas próprias fontes e tentou verificar a informação [sobre o envolvimento potencial da Rússia] de alguma forma", afirmou à RBB, acrescentando que eventualmente não encontrou nenhuma evidência apontando para Moscou também.

    Após o envenenamento, que Londres culpou em Moscou, usando o agora infame texto "altamente provável", o Reino Unido e seus aliados expulsaram dezenas de diplomatas russos, com Moscou dando uma resposta espelhada.

    A Rússia negou categoricamente qualquer envolvimento, e reclamou que as vítimas não puderam receber visitas de advogados e diplomatas russos, e os resultados da investigação foram mantidos em segredo. O enviado russo ao Reino Unido alegou em várias ocasiões que Londres estava mesmo tentando "destruir" provas na investigação.

    Há alguns dias, a Scotland Yard disse que ainda seguia múltiplas pistas na investigação, acrescentando que ainda "não pode discutir os resultados nesta fase". A investigação já custou 7,5 milhões de libras (US$ 10 milhões) aos contribuintes britânicos, segundo o comissário de polícia e crime da região.

    Enquanto isso, Sergei e Yulia Skripal foram liberados do hospital após o incidente em 4 de março.

    Mais:

    Ex-espião russo Sergei Skripal teve alta do hospital em Salisbury
    Reino Unido reforça discurso antirrusso no caso Skripal
    Presidente tcheco admite que país produziu substância parecida ao do caso Skripal
    Tags:
    provas, diplomacia, A234, Novichok, envenenamento, Scotland Yard, BND, Michael Goetschenberg, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Rússia, Salisbury, Reino Unido, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik