17:57 22 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Incêndio em vilarejo abandonado na zona de exclusão em torno da usina de Chernobyl, 28 de abril de 2015 (imagem de arquivo)

    Terrível incêndio florestal atinge zona de exclusão de Chernobyl (FOTOS, VÍDEOS)

    © AP Photo / Andrew Kravchenko, Pool
    Europa
    URL curta
    305

    O desastre de Chernobyl, considerado como um dos piores acidentes nucleares da história, ocorreu em 26 de abril de 1986. A contaminação subsequente atingiu cerca de 8,4 milhões de habitantes da atual Bielorrússia, Ucrânia e Rússia, que foram expostos a altos níveis de radiação, e mais de 400 mil pessoas foram forçadas a deixar as áreas poluídas.

    Um grande incêndio florestal começou na manhã de terça-feira (5) dentro da "zona morta" ao redor da antiga Usina Nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, quando a grama seca pegou fogo, informaram os serviços de emergência locais em um comunicado.

    ​Grande incêndio na floresta vermelha de Chernobyl. Serviços de emergência agindo nesta área altamente radioativa.

    ​Existem inúmeros vídeos mostrando chamas na área que ameaçam se aproximar da Usina Nuclear.

    ​#Chernobyl pega fogo hoje. Eu vi um nesta manhã, depois outro ainda mais perto nesta tarde; é um verão quente e seco; solidários pensamentos para os bombeiros.

    ​O incêndio dentro da "zona morta" de Chernobyl, que agora faz parte da Ucrânia, começou na manhã de terça-feira, quando a grama seca foi incendiada, disseram os serviços locais de emergência em um comunicado. O incêndio atingiu posteriormente uma floresta, onde até 10 hectares estão agora em chamas.

    Mais:

    Pesquisador explica por que Chernobyl é 'paraíso na Terra'
    Chernobyl e Fukushima: acidentes diferentes com as mesmas consequências
    Zona radioativa de Chernobyl como você nunca viu
    Chernobyl: cidade fantasma em 15 imagens incríveis
    Tags:
    fogo, radiação, contaminação, desastre, nuclear, acidente ambiental, usina atômica, incêndio florestal, Bielorrússia, Rússia, Ucrânia, Chernobyl
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik