11:52 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Líder do Partido Socialista (PSOE), Pedro Sanchez é o novo primeiro-ministro da Espanha

    Socialistas assumem o poder na Espanha após derrubada do premiê Mariano Rajoy

    © REUTERS / Sergio Perez
    Europa
    URL curta
    140

    A Câmara Baixa espanhola confirmou os principais prognósticos ao apoiar uma moção de desconfiança contra o governo de Mariano Rajoy, indicando o líder do Partido dos Trabalhadores Socialistas Espanhóis, Pedro Sánchez, como o novo primeiro-ministro da Espanha.

    O voto de desconfiança dos parlamentares foi desencadeado por um escândalo de corrupção envolvendo membros do partido de centro-direita de Rajoy.

    Legisladores se levantaram e aplaudiram quando Sánchez — que antes prometera tentar conduzir o país até meados de 2020, quando o mandato parlamentar termina — se tornou o sétimo chefe de governo do país desde o seu retorno à democracia, no final dos anos 1970, após quase quatro décadas de ditadura com Francisco Franco.

    Mas a saída de Rajoy após seis anos de mandato coloca uma das quatro principais economias da zona do euro em um cenário político incerto, assim como outra — a Itália — se afastou das eleições antecipadas após a confirmação de um novo governo.

    Sánchez ganhou a moção de não-confiança de sexta-feira por 180 votos contra 169, com uma abstenção.

    O Partido Socialista, de 46 anos, ocupa apenas 84 assentos no Legislativo de 350 membros, deixando claro quanto tempo sua administração pode durar. Mas suas fortes credenciais pró-europeias e o fato de que Rajoy também administrava um governo minoritário sugerem que as consequências de qualquer ação política em uma das economias em rápido crescimento da zona do euro provavelmente serão limitadas.

    O mercado de ações da Espanha subiu após a votação parlamentar, com um aumento de quase 2% no fechamento de quinta-feira, enquanto os custos de empréstimos do país caíram.

    "Sánchez reiterou um compromisso com a ortodoxia europeia e o controle orçamentário na Espanha", disseram analistas do UBS. "Não prevemos um impacto substancial no ritmo de crescimento".

    Sem instabilidade?

    Com a maioria dos outros partidos espanhóis também em perspectiva, Sánchez já se comprometeu a respeitar um orçamento fiscalmente conservador passado por Rajoy. O Parlamento fragmentado significa que ele também achará difícil refutar as reformas estruturais aprovadas por seu antecessor, incluindo novas leis trabalhistas e cortes na saúde e na educação.

    Em Berlim, um porta-voz do governo disse que a Alemanha esperava por um governo estável em Madri.

    O partido de esquerda Podemos prometeu apoiar Sánchez no Parlamento, embora pareça improvável que ganhe grande influência sobre Sánchez, que quer reconquistar os eleitores de centro.

    Depois que o resultado da votação foi anunciado, os membros do Podemos sorriram e se abraçaram antes de gritarem "Sim, nós podemos" — o slogan de seu partido, um produto da raiva generalizada dos cortes de gastos impostos pelo primeiro governo de Rajoy em plena crise da zona do euro.

    Rajoy esperava perder o cargo

    Rajoy admitiu a derrota antes do voto de desconfiança, parabenizando Sánchez e dizendo aos deputados em um breve e gracioso discurso: "Foi uma honra ter deixado a Espanha em um estado melhor do que o encontrei".

    O agora ex-premiê de 63 anos, do Partido do Povo (PP) de centro-direita, assumiu o governo em 2011 no meio de uma recessão profunda e presidiu uma recuperação econômica dramática.

    No entanto, sua posição tornou-se cada vez mais insustentável, prejudicada por escândalos que cercam seu partido, bem como uma unidade divisora de independência na região da Catalunha, que levou Madri a impor o controle direto sobre a região no último outono.

    A moção de desconfiança foi apresentada por Sánchez depois que um juiz sentenciou dezenas de pessoas ligadas ao PP a décadas de prisão em um julgamento de corrupção que durou muito tempo.

    Dois partidos pró-independência catalães apoiaram o movimento de desconfiança em Rajoy.

    Sánchez, que deve ser empossado até segunda-feira e nomear seu gabinete na semana que vem, prometeu iniciar conversações com os catalães, mas disse que não dará à região um referendo sobre a independência.

    Na sexta-feira, autoridades catalãs anunciaram seu novo gabinete, excluindo quatro candidatos sob investigação por sua participação em sua campanha pela independência para preparar o caminho para que Madri ponha fim ao seu governo direto.

    Promotores alemães pediram judicialmente a extradição para a Espanha do líder do movimento de independência, o ex-presidente regional Carles Puigdemont, por acusações ligadas ao seu papel na campanha, disseram na sexta-feira em Berlim.

    Mais:

    Ex-presidente da Catalunha é detido na fronteira alemã, diz mídia
    Catalunha continua a desafiar Madri
    Catalunha quer criar exército para se defender da Espanha
    Tags:
    socialistas, moção de desconfiança, socialismo, política, corrupção, euro, PSOE, União Europeia, Pedro Sanchez, Mariano Rajoy, Catalunha, Europa, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik