14:36 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    O Fundo Monetário Internacional (FMI)

    Tríade liderada pelo FMI pode 'invadir' Itália para evitar falência, diz político alemão

    © AP Photo / Itsuo Inouye
    Europa
    URL curta
    962

    Três dias depois de a Itália mergulhar em uma profunda crise política, suas tensões com Bruxelas e Berlim deram um novo salto quando um político da União Europeia (UE) alertou para uma "invasão" de Roma se a situação econômica piorar.

    A sugestão veio do político alemão e membro do Parlamento Europeu, Markus Ferber. Ele afirmou que a tríade poderosa — o Fundo Monetário Internacional (FMI), a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) — pode ser forçada a tomar medidas extremas e "invadir" a Itália. Para seu próprio bem.

    "Na pior das hipóteses, a Itália — como a Grécia — vai à falência", disse o político alemão em uma entrevista publicada por um correspondente da TV alemã ZDF. "Então a tríade terá que invadir Roma e assumir o Ministério das Finanças da Itália".

    Ferber também afirmou que a possibilidade de a Itália entrar em bancarrota teria sérios desdobramentos para a Europa, que não seria capaz de conter a crise financeira ou pagar as dívidas da Itália.

    A posição desafiadora tomada pelo membro do Parlamento da UE não caiu bem em Roma. O líder do anti-establishment da Liga do Norte, Matteo Salvini, respondeu à ameaça no Twitter, incitando os alemães a cuidar de seus próprios negócios, acrescentando que "sempre que os alemães falam em 'invadir' um país, isso nunca é um bom sinal".

    O conflito entre Salvini e os políticos alemães decolou quando o chefe do orçamento da UE, Gunther Oettinger, insinuou que a Itália era desaconselhada a votar nos populistas que pensavam em alienar a Itália da zona do euro.

    Apesar do fato de que tanto o jornalista que entrevistou Oettinger quanto o executivo da UE rejeitaram o comentário como incorretamente traduzido e mal interpretado, suas desculpas pouco significaram para aqueles que vociferavam nas redes sociais.

    A observação ameaçadora provocou uma avalanche de críticas. Indignado com o que ele chamou de "desejo alemão de hegemonia", Salvini disse que as autoridades de Bruxelas "não tinham vergonha alguma" e insistiu na renúncia imediata de Oettinger.

    Chegando apenas um dia depois da principal gafe do chefe do orçamento da UE, a declaração de Ferber dos planos da tríade de obrigar Roma a obedecer à zona do euro soava perigosamente semelhante ao que já acontecia na Grécia.

    Em 2015, o povo grego se opôs veementemente às medidas de austeridade decretadas pela tríade. A Grécia tentou resistir à pressão de autoridades da UE para cumprir suas severas metas orçamentárias, mas, sob intensa pressão de Bruxelas e Berlim, o governo grego fechou seus olhos para a vontade das pessoas cansadas da austeridade e promulgou medidas ainda mais duras.

    Mais:

    Ele está de volta: Berlusconi pode voltar a concorrer nas eleições, decide tribunal
    Ex-estrategista de Trump chama Berlusconi de 'um dos maiores líderes do século XXI'
    Exército da Itália mostra todo seu poder durante exercícios militares
    Tags:
    populismo, euro, diplomacia, política, intervenção, Liga Norte, Parlamento Europeu, União Europeia, Banco Central Europeu, FMI, Gunther Oettinger, Matteo Salvini, Markus Ferber, Europa, Alemanha, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik