09:48 26 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Tanques da OTAN na Letônia, perto da fronteira com a Rússia

    Europeus protestam contra comboios militares dos EUA que 'visam uma guerra contra Rússia'

    © AP Photo/ Mindaugas Kulbis
    Europa
    URL curta
    3141

    Dezenas de comboios militares dos Estados Unidos estarão ocupando as estradas da Europa nesta semana como parte de um exercício destinado a melhorar a logística de transporte no continente em caso de guerra. Mas nem todos os moradores locais estão felizes com isso.

    Destinados aos três Estados bálticos e à Polônia, Romênia, Bulgária e Hungria, os comboios fazem parte de uma brigada de 3.300 soldados dos EUA, que junto com seus 2.500 equipamentos recentemente ancoraram em Antuérpia, na Bélgica.

    A sua chegada à Europa faz parte da Operação Resolução Atlântica, que é a resposta contínua de Washington à crise da Ucrânia e a reunificação da Crimeia com a Rússia em 2014.

    "Às vezes o que é velho é novo de novo, e isso está chegando aqui", disse o major-general Steven Shapiro, comandante do 21º Comando de Sustentação Teatral, que apoia as operações militares dos EUA na Europa, no início deste mês.

    "Antuérpia e Roterdã foram os principais portos quando estávamos operando durante a Guerra Fria […] Estamos voltando a Antuérpia em grande estilo", acrescentou.

    O equipamento militar se deslocará pela Europa via barcaça fluvial, ferrovia e rodovia. As autoridades descreveram o desdobramento como um exercício de larga escala, focado na melhoria das habilidades logísticas que seriam necessárias no caso de uma guerra na Europa.

    O movimento de tropas dos EUA em toda a Europa tem sido descrito como um dos maiores do tipo desde o final da Guerra Fria — e, fiel à tradição, já enfrentou a oposição de moradores locais desagradáveis.

    "Acho que isso não nos ajuda, a longo prazo, se os tanques subirem e descerem os dois lados da fronteira", disse Dietmar Woidke, premier do estado alemão de Brandemburgo, no início deste ano. No entanto, um porta-voz do governo adotou uma abordagem mais neutra em relação aos movimentos de tropas em um comunicado divulgado na segunda-feira.

    Alemães insatisfeitos

    Preocupações do governo de lado, algumas dezenas de manifestantes esperavam por veículos militares dos EUA enquanto viajavam para o leste ao longo das estradas rurais de Brandemburgo.

    "Não queríamos que eles passassem sem nenhuma oposição", afirmou à rede alemã DW Diana Golze, ministra do Trabalho e Assuntos Sociais do Estado de Brandemburgo, que participou da manifestação.

    "Achamos que este não é um bom momento para a transferência de tropas para a fronteira entre a Polônia e a Rússia. É preciso haver um caminho diplomático, e não apenas uma ameaça militar", prosseguiu.

    Um morador que assistiu à pequena manifestação com um cartaz dizendo "Amis vai para casa" — um termo ligeiramente pejorativo para os americanos – explicou o que pensava sobre a situação.

    "Nós nunca sentimos que os russos tinham intenções malignas. E agora, tentar nos incitar uns contra os outros não é do interesse do povo alemão — nem das pessoas do oeste ou do leste. Existem outros poderes por trás disso que nos querem lutar uns contra os outros", opinou.

    Outro manifestante disse à DW: "Estou aqui para impedir que a loucura dos soldados americanos seja enviada para a fronteira russa, mas aparentemente quase ninguém está interessado por aqui".

    Os comboios que seguem para o leste seguem os exercícios de 2015, nos quais cerca de 120 veículos, principalmente aviões Stryker AFVs, percorreram 1.770 quilômetros pela Estônia, Lituânia, Polônia, Letônia e República Tcheca, tendo como destino final a Alemanha. Exercícios semelhantes foram realizados um ano depois.

    Durante suas manobras, vários comboios foram confrontados por manifestantes em cidades e vilarejos da Alemanha e da República Tcheca. Na época, os tchecos foram lembrados de que jogar tomates ou ovos nos veículos dos EUA era punível com até três anos de prisão.

    Um tcheco particularmente engenhoso recorreu a uma tática diferente: ele largou as calças e "ironizou" um comboio de passagem. Um ex-tenente das Forças Armadas Tchecas disse em uma entrevista nesta semana que planeja organizar novos atos de desobediência pública para protestar contra a contínua culpabilidade de Praga por ações militares norte-americanas que ameaçam a segurança europeia.

    Mais:

    Autoridade ucraniana: Rússia consegue ocupar países Bálticos em 3 horas
    Países bálticos querem maior proteção dos EUA contra a 'ameaça russa'
    Antes tarde do que nunca: países bálticos resolvem participar da luta contra Daesh
    Tags:
    Operação Resolução Atlântica, militares, russofobia, Guerra Fria, guerra, OTAN, Dietmar Woidke, Steven Shapiro, Países Bálticos, Estados Unidos, Romênia, Polônia, Hungria, Bulgária, Bélgica, Crimeia, República Tcheca, Europa, Alemanha, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik