17:49 22 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Placa de alerta de radioatividade pendurada na cerca em frente ao prédio que abriga urânio empobrecido nas instalações da EnergySolutions em Clive, Utah, EUA, 6 de meio de 2015.

    Por que um 'Estado ecológico' não fala sobre crimes ambientais cometidos pela OTAN?

    © AP Photo / Rick Bowmer
    Europa
    URL curta
    131

    Em 1999, poucos dias antes do fim da agressão da OTAN contra a Iugoslávia, aeronaves norte-americanas A-10 bombardearam Azra, na península Lustica de Montenegro, com munições contendo urânio empobrecido por duas vezes.

    Segundo diversas estimativas, foram lançadas mais de 300 bombas. Só algumas regiões da Sérvia foram atingidas com uma quantidade maior de bombas.

    Isto é confirmado pelos dados do Centro de Montenegro para Pesquisas Ecotoxicológicas: somente em Azra foram lançados mais de 88 quilos de urânio empobrecido. Posteriormente, 90% das substâncias nocivas foram neutralizadas.

    Mas enquanto as autoridades da Sérvia resolveram no final organizar uma comissão especial para investigar as consequências do bombardeio da OTAN, em Montenegro, país novato da Aliança, ninguém expressa qualquer desejo de discutir os resultados negativos dessa operação.

    Embora Lustica seja um exemplo dos territórios mais cuidadosamente limpos, estudos minuciosos indicam que isso não significa que os riscos para saúde pública tenham sido eliminados, segundo o jornalista montenegrino Igor Damjanovic.

    Em conversa com a Sputnik Sérvia, ele lembrou que as medições nesta área mostraram que, depois dos bombardeios, o nível de radiação superava a norma em até 350 vezes.

    A limpeza do território de Lustica foi concluída vários meses depois da operação da Aliança. Segundo Damjanovic, é um processo muito caro e complexo com resultados parcialmente eficazes.

    "O trabalho envolve a remoção de diversas camadas de terra, seu armazenamento em lugares específicos e preenchimento dos buracos escavados", explica.

    Enquanto isso, segundo os especialistas, a limpeza do território não elimina todos os riscos. Resta a poeira radiativa que se espalha pelo ar por dezenas de quilômetros ao redor e tem um efeito negativo duradouro sobre a água, flora e fauna devido à longa meia-vida do urânio – cerca de 4,5 bilhões de anos.

    Nesse sentido, o desejo das autoridades montenegrinas de silenciar o problema e esconder a verdade da população não é menos criminoso que o bombardeio, disse o jornalista.

    "O manual elaborado para os soldados da OTAN no Kosovo comprova o cinismo das estruturas da OTAN e das autoridades que receberam propina. Ele recomenda que, no caso de se encontrar na distância de 500 m de um tanque, carro ou prédio que foram atingidos por uma munição com urânio empobrecido, é imprescindível o uso de máscara de proteção, porque a inalação de partículas de poeira de urânio pode causar, em poucos anos, câncer e doenças, inclusive nos descendentes", comentou Damjanovic.

    Além disso, ele lembrou que o bombardeio no Kosovo com urânio empobrecido levou a um surto de câncer entre os soldados italianos que serviram no Kosovo como parte da missão da KFOR. Até o momento, 45 militares morreram de câncer e mais de 500 estão sendo tratados.

    Segundo Damjanovic, é especificamente nesse contexto que é preciso contestar a ausência de qualquer análise comparativa do crescimento do número de doenças oncológicas em Montenegro antes e depois do bombardeio. Na opinião dele, as autoridades estão preocupadas que esses números possam revelar a conexão direta entre o uso de urânio empobrecido e o crescimento do número de pacientes com câncer.

    É curioso que Montenegro, ainda em 1991, se declarou um "Estado ecológico", mas aparentemente o país não está disposto a falar sobre as consequências dos crimes ambientais.

    Mais:

    Irã é capaz de produzir urânio enriquecido em 2 dias caso EUA abandonem acordo nuclear
    Moscou e Buenos Aires acordam sobre exploração e extração de urânio na Argentina
    Irã pode acelerar o enriquecimento de urânio se Trump voltar a impor sanções
    Tags:
    bombardeio, câncer, urânio, OTAN, Montenegro, Sérvia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik