21:58 22 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Ex-funcionário do FMI Carlo Cottarelli

    Bagunça italiana: como ex-oficial do FMI virou premiê mesmo sem ter sequer 1 voto

    © REUTERS / Tony Gentile
    Europa
    URL curta
    605

    As eleições de março na Itália foram seguidas por meses de negociações, que terminaram com a decisão do presidente do país de bloquear a vontade das pessoas e escolher um ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) como o novo primeiro-ministro interino.

    Improvável como parecia inicialmente, uma coalizão do Movimento Cinco Estrelas e da Liga Norte foi formada quase três meses depois da votação do país. As eleições de 4 de março resultaram em dois vencedores — a coalizão de centro-direita liderada pela Liga que, coletivamente com o Forza Italia de Silvio Berlusconi, obteve 37%; e o Movimento Cinco Estrelas, que ganhou quase 33%.

    Os improváveis aliados tiveram missões contrastantes durante suas campanhas eleitorais. Enquanto a Liga prometeu lutar firmemente para aliviar a taxação e introduzir novas medidas para lidar com os migrantes ilegais, o Movimento deu a impressão de se inclinar mais para a esquerda.

    Amplamente apoiado no sul do país, o esquerdista Luigi Di Maio era esperado para lidar com algumas das questões mais dolorosas, como o desemprego e o governo local desleixado. Com suas missões enquadradas de maneira diferente, as duas partes não iniciaram imediatamente as negociações.

    Para aumentar a aposta nas eleições, o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi uniu-se a Matteo Salvini da Liga e à líder dos Irmãos da Itália, Giorgia Meloni, esperando formar um governo com base em seus resultados coletivos.

    No entanto, esta aliança proposta com Berlusconi, cujo partido obteve apenas 14%, foi complicada para Salvini na sequência dos resultados. O líder da Liga relutou em romper seu acordo com Berlusconi, razão pela qual ele inicialmente descartou qualquer possibilidade de formar uma aliança com Di Maio.

    Em 14 de março, Salvini expressou sua prontidão para se unir a qualquer partido desde que não fosse o Partido Democrata (PD). Isso, realisticamente, deixou de fora o Movimento como sua única perspectiva.

    Um mês depois das eleições, Salvini tomou a decisão de romper o impasse com Di Maio. Em maio, no entanto, o líder do Movimento confrontou Salvini com um ultimato para deixar Berlusconi de sua coalizão ou esquecer a aliança. Sem vontade e sem intenção de apoiar Salvini, o ex-premiê o abandonou, deixando a Liga e Di Maio continuarem negociando.

    Enquanto isso, a terceira rodada de consultas foi tão infrutífera quanto as duas primeiras. O presidente da Itália, Sergio Mattarella, quase desistiu de qualquer esperança de formar um governo e, em 7 de maio, advertiu que formaria um governo provisório “neutro” ou convocaria novas eleições em julho.

    Ambas as partes pediram mais tempo, devido a conversações inconclusivas sobre algumas das questões-chave, e Salvini disse em 14 de maio que a Alemanha levou seis meses para fazer o mesmo.

    Depois de apenas alguns dias, em 18 de maio, os dois partidos eurocéticos finalmente chegaram a um acordo e esboçaram um programa de política conjunta para o que seria o governo de coalizão.

    Mais esperançosos do que nunca de que seus esforços pudessem compensar, em 21 de maio propuseram um estudioso jurídico, Giuseppe Conte, como primeiro-ministro para liderar sua coalizão e formar o governo.

    Conte, que foi aprovado pelo presidente Mattarella, deparou-se com uma questão imprevista — seu candidato a ministro da Economia, Paolo Savona, foi veementemente rejeitado por suas visões supostamente eurocéticas, algo que Savona considerou falsas. Ele esclareceu que nunca propôs que a Itália abandonasse a União Europeia (UE) ou o euro como sua moeda, mas achava que a união poderia ser melhorada.

    O governo que estava quase pronto para cumprir suas promessas estipuladas, foi dissolvido em um movimento chicote em 27 de maio. Mattarella explicou sua mudança como uma tentativa de proteger o povo italiano e suas economias de risco iminente. Essa explicação, no entanto, não convenceu os aliados que culparam o presidente por ultrapassar seus limites constitucionais e comprometer a democracia, bloqueando a vontade do povo, que havia sido expressa durante as eleições.

    Depois de despedir o governo em formação no domingo, Mattarella perdeu pouco tempo antes de dar um novo mandato ao ex-funcionário do FMI, Carlo Cottarelli, na segunda-feira, 28 de maio. A nomeação do economista pró-austeridade e pró-UE para formar um novo governo interino até que novas eleições sejam realizadas enfureceu os aliados da Liga e do Movimento.

    Em duas entrevistas na segunda-feira, Salvini criticou o movimento como inconstitucional, enquanto seu parceiro de coalizão o descreveu como o dia mais sombrio que a democracia já conheceu.

    Mais:

    Exército da Itália mostra todo seu poder durante exercícios militares
    Embaixada dos EUA na Itália avisa cidadãos sobre protestos contra ataques à Síria
    Submarino dos EUA que lançou mísseis contra Síria causa revolta na Itália
    Tags:
    impasse, coalizão, política, FMI, Forza Italia, Liga Norte, Movimento Cinco Estrelas, União Europeia, Giuseppe Conte, Giorgia Meloni, Silvio Berlusconi, Matteo Salvini, Luigi Di Maio, Sergio Mattarella, Carlo Cottarelli, Europa, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik