12:15 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    O ex-comandante supremo da OTAN na Europa Philip Breedlove

    Ex-chefe da OTAN diz que nenhum general quer lutar contra Rússia

    © AP Photo / Virginia Mayo
    Europa
    URL curta
    17432

    Nenhum general da Aliança Atlântica, ao acordar de manhã, dirá que quer lutar contra a Rússia. Isso foi afirmado em entrevista ao portal polonês Onet pelo ex-comandante da OTAN na Europa, o general americano Philip Breedlove.

    Além disso, Breedlove disse que o exército russo aprende rapidamente com seus erros, e ressaltou que Moscou enviou "mensagem clara" para todas as capitais europeias: "Nossos mísseis voaram do mar Cáspio até a Síria, e se necessário voarão até vocês".

    O maior desafio para a OTAN, segundo Breedlove, será a integração de programas de defesa de diferentes países. Ele acentuou que há pouco tempo, membros da Aliança podiam reagir entre 30 e 40 dias, mas agora esse período foi reduzido para cinco dias.

    O general americano também rejeitou a opinião de que a OTAN está a dois passos atrás da Rússia. "Se olharmos para Moscou, vemos sistema de estradas e ferrovias, através das quais o transporte é realizado rapidamente e com concentração de forças. Sim, a Rússia é capaz de agrupar seu exército rapidamente. Mas eu não acho que suas interações, capacidades, exercícios e afins estejam a um nível superior ao da Aliança", comentou.

    Breedlove declarou anteriormente que os EUA estão interessados em negociações "mais amplas" com a Rússia, mas não podem mantê-las devido à política de Moscou.

    Mais:

    São encontrados armazéns com armamentos da OTAN em Homs
    Polícia Aérea da OTAN escolta aviões militares russos sobre mar Báltico
    Ouviu, Merkel? Trump promete 'enquadrar' países que não gastam o bastante na OTAN
    Fornecedor de armas da OTAN tentou comprar armamento russo para Iraque
    Tags:
    capacidade militar, defesa, alianças, general, mensagem, mísseis, OTAN, Philip Breedlove, mar Cáspio, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik