09:30 21 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Polícia britânica na área interditada, onde o ex-espião Sergei Skripal foi encontrado com sintomas de envenenamento

    Ocidente conhece agente químico usado contra os Skripals há décadas, diz mídia alemã

    © AP Photo / PA/Steve Parsons
    Europa
    URL curta
    470

    Uma amostra de Novichok (substância A-234), o agente nervoso supostamente usado para envenenar os Skripals no Reino Unido, foi obtida pela inteligência alemã nos anos 90, informou a mídia local. Desde então, a substância foi estudada e produzida pelos países da OTAN.

    Os países ocidentais, incluindo os EUA e o Reino Unido, há muito tempo estão cientes da composição química do agente nervoso conhecido como Novichok, um grupo de meios de comunicação alemães relatou após uma investigação conjunta.

    O inquérito, baseado em fontes anônimas, dá uma nova visão sobre a questão do agente nervoso que teria sido usado no envenenamento do ex-agente duplo russo Sergei Skripal e sua filha Yulia em Salisbury, no Reino Unido, em março.

    Os governos ocidentais conseguiram colocar as mãos na fórmula do que é descrito como "uma das armas químicas mais mortais já desenvolvidas", depois que o serviço de inteligência estrangeiro alemão, o BND, obteve uma amostra do agente nervoso de um desertor russo na década de 1990.

    Um cientista russo forneceu à inteligência alemã informações sobre o desenvolvimento da Novichok por algum tempo após o colapso da União Soviética, informaram as emissoras alemãs de NDR e WDR, bem como os jornais diários Die Zeit e Suedeutsche Zeitung, citando fontes anônimas do BND. Em algum momento, o homem ofereceu aos alemães uma amostra do agente químico em troca de asilo para ele e sua família.

    Uma amostra foi eventualmente contrabandeada pela esposa do cientista e enviada pelos alemães para um laboratório químico sueco, de acordo com as reportagens. Após a análise da amostra, os peritos suecos estabeleceram a fórmula da substância, que depois entregaram à Alemanha.

    Por ordem do então chanceler alemão Helmut Kohl, o BND compartilhou a fórmula com os "aliados mais próximos" de Berlim, incluindo os serviços de inteligência dos EUA e do Reino Unido. Mais tarde, o Reino Unido, os EUA e a Alemanha criaram um "grupo de trabalho" especial encarregado de estudar a substância, que também incluía representantes da França, Canadá e Holanda.

    "Alguns países da OTAN estavam secretamente produzindo o agente químico em pequenas quantidades", informaram os quatro meios de comunicação, acrescentando o que supostamente foi feito para desenvolver as contramedidas necessárias. No entanto, ainda não está claro quais Estados específicos estavam envolvidos na produção do Novichok.

    A amostra do agente nervoso foi particularmente estudada por especialistas britânicos no laboratório de Porton Down. É por isso que eles supostamente foram rápidos em determinar a fórmula da substância usada para envenenar o ex-agente duplo Sergei Skripal e sua filha Yulia em março, diz o relatório.

    Ao mesmo tempo, a mídia alemã admitiu que "Novichok não é mais um segredo há muito tempo", chamando a alegação das autoridades britânicas sobre a origem da substância usada para envenenar os Skripals como "precários".

    O governo britânico acusa a Rússia de envenenar os Skripals em Salisbury. Parte do argumento apresentado pela primeira-ministra Theresa May para a cumplicidade de Moscou é que a Rússia é o único país capaz de produzi-lo. Essa narrativa permaneceu em grande parte inquestionável dentro da grande mídia ocidental.

    No entanto, o presidente tcheco Milos Zeman admitiu recentemente que seu país sintetizou e testou um agente nervoso da chamada família Novichok. Mais cedo, autoridades russas nomearam a República Tcheca — juntamente com a Eslováquia, a Suécia, os EUA e o próprio Reino Unido — entre os países que têm capacidade técnica suficiente para produzir o agente nervoso.

    O órgão internacional de defesa de armas químicas, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), afirmou repetidamente que não pode identificar a fonte do agente que supostamente foi usado para envenenar os Skripals.

    Mais:

    Reino Unido reforça discurso antirrusso no caso Skripal
    Presidente tcheco admite que país produziu substância parecida ao do caso Skripal
    Londres suspeita ex-agente de serviços secretos russos de ter envenenado Skripal
    Tags:
    Novichok, A234, agente nervoso, armas químicas, espionagem, envenenamento, OPAQ, BND, Theresa May, Milos Zeman, Helmut Kohl, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Alemanha, Salisbury, Reino Unido, União Soviética, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar