13:17 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Luigi Di Maio, líder do Movimento Cinco Estrelas

    Polêmica coalizão italiana defende fim das sanções contra a Rússia

    © Foto : fornita da Sergey Startsev
    Europa
    URL curta
    5140

    Os partidos italianos Movimento Cinco Estrelas (M5S) e Liga Norte pediram o levantamento imediato das sanções impostas à Rússia. A coligação, que negocia a formação de um novo governo em Roma, também introduziu outras propostas susceptíveis de provocar tremores em toda a União Europeia (UE).

    Um programa governamental de referência publicado pelo esquerdista M5S e sua aliada de direita Liga Norte diz que abandonar as sanções da Rússia forneceria uma abertura para Moscou se envolver na solução de crises regionais que afetam o Oriente Médio.

    Lançamento de mísseis durante treinamentos conjuntos entre EUA e Coreia do Sul (foto de arquivo)
    © AP Photo / Ministério da Defesa da Coreia do Sul

    Apesar de chamar os EUA de "aliado privilegiado", o documento promete um reengajamento com a Rússia que "não deve ser vista como uma ameaça, mas como um parceiro econômico e comercial". Portanto, o pacto diz que "é apropriado colocar um freio nas sanções impostas à Rússia para que possa retomar seu papel de mediador estratégico para resolver crises regionais (na Síria, na Líbia, no Iêmen)".

    Indo mais além, a coalizão chama a Rússia de "parceira potencial para a OTAN e para a UE", e destaca que existem outras ameaças mais agudas emergentes na "frente sul" da Europa, a saber: "extremismo islâmico, migração descontrolada e consequentes tensões que surgem entre potências regionais".

    Portanto, a Itália, cuja política externa será centrada em torno dos interesses nacionais, "deve aprofundar sua cooperação com outros países comprometidos com o combate ao terrorismo", afirma o programa.

    As sanções da Rússia de lado, o pacto pede uma revisão das regras da UE existentes sobre imigração e refugiados. Exige uma distribuição "obrigatória e automática" dos requerentes de asilo em todo o bloco de 28 membros, em vez de exigir que permaneçam no país onde primeiro entram na Europa.

    O M5S e a Liga Norte também pedem uma política de deportação "séria e eficiente", sugerindo que mais centros de detenção poderiam ser abertos. O financiamento de mesquitas e outras instalações religiosas deve ser transparente, e as orações islâmicas devem ser conduzidas em italiano, de acordo com as propostas.

    Colocando ênfase na solução de problemas domésticos, o programa promete bilhões de euros em cortes de impostos e promete gastos adicionais em assistência social para os pobres, além de incluir uma reviravolta em reformas controversas de pensão. No entanto, o acordo final deixou cair uma proposta que buscava mudanças radicais nas regras fiscais da UE.

    Coletivamente, M5S e Liga Norte obtiveram a maioria dos votos em eleições nacionais em 4 de março. O sucesso do M5S veio principalmente do sul da Itália, o que, segundo alguns observadores, pode ser explicado pela distribuição desigual da riqueza em todo o país. A Liga Norte já havia governado duas das regiões mais ricas da Itália, Lombardia e Veneto, e aparentemente ganhou destaque devido à sua postura dura em relação à imigração e à burocracia da UE.

    Mais:

    Itália exige explicações da França sobre operação na fronteira entre os países
    'Ineficazes': partido mais votado na Itália defende o fim das sanções contra a Rússia
    Rússia reage às sanções e prepara projeto que pune quem facilita aplicação delas no país
    Tags:
    relações diplomáticas, relações bilaterais, diplomacia, sanções, União Europeia, Luigi Di Maio, Matteo Salvini, Itália, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik