04:25 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Construção da ponte da Crimeia, março de 2018

    Jornalista que sugeriu explosão da Ponte da Crimeia 'entra em contato' com Ucrânia

    © Sputnik / Aleksei Malgavko
    Europa
    URL curta
    18415

    O jornalista britânico, que sugeriu explosão da Ponte da Crimeia, não retira o que disse. Em entrevista à Sputnik, o político crimeano, Vadim Kolesnichenko, comentou a posição do colunista estrangeiro.

    O colunista da edição norte-americana Washington Examiner, Tom Rogan, afirmou que não lamenta ter escrito seu artigo no qual apelou para a explosão da Ponte da Crimeia.

    "Exceto o fato de eu ter podido me expressar de modo mais claro, dizendo que este ataque poderia ser (e, claro, deveria ser) feito de modo que evitasse quaisquer vítimas", escreveu o colunista em seu novo artigo.

    Além do mais, ele voltou a expressar uma série de acusações já apresentadas pelo Ocidente contra a Rússia, indicando alegada intervenção nos assuntos internos da Ucrânia. De acordo com o jornalista, a lembrança daquilo que "outro país tem direito de defender seu território", pelo visto, não pode ser aceita na Rússia.

    Mais posteriormente, Rogan escreveu no Twitter que tinha falado com o chanceler ucraniano Pavel Klimkin, que o apoiou e prometeu ajudar.

    De acordo com o jornalista, durante uma conversa telefônica "maravilhosa", Klimkin disse que "o povo ucraniano apoia" o artigo publicado e prometeu ajuda por parte do governo caso "Rússia tente enviar" Rogan para a Penitenciária Golfinho Negro (famosa prisão russa para condenados à prisão perpétua).

    "Tivemos uma conversa boa e trocamos piadas", afirmou Rogan. Ao mesmo tempo, as autoridades ucranianas não confirmaram o caso.

    ​O presidente do Conselho Internacional de Compatriotas Russos, Vadim Kolesnichenko, falou com o serviço russo da Rádio Sputnik e comentou a situação.

    "Tal compostura por parte do jornalista norte-americano [de fato, o colunista é de origem britânica, mas escreve para uma edição norte-americana], especialmente no contexto do processo iniciado pelo Comitê de Instrução, quer dizer uma coisa só: vários cidadãos dos EUA, especialmente com ideias russófobas, podem ser considerados cúmplices de terroristas, pois apelam a bombardeios em espaço público. Neste caso particular vimos que os EUA não reagem de maneira nenhuma; mais do que isso, seus cidadãos demonstram publicamente identidade desumana. Temos que estar ainda mais atentos para entendermos: se é assim entre cidadãos comuns, nem preciso falar de políticos. Temos que ter muito cuidado e guardar nossa pólvora seca", disse.

    Anteriormente, foi comunicado que o Comitê de Instrução da Rússia iniciou um processo judicial contra o jornalista britânico. Segundo o inquérito, o artigo da sua autoria "contém vestígios de apelos públicos a atividades terroristas no território da Federação da Rússia".

    Agora, os especialistas estão conduzindo uma análise psicológica e linguística da publicação. O Comitê de Instrução também faz questão de estabelecer todo o contexto do crime cometido.

    No entanto, como foi revelado posteriormente, foram os chacoteiros, Vladimir Kuznetsov (Vovan) e Aleksei Stolyarov (Leksus), que ligaram para Tom Rogan se passando pelo ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Pavel Klimkin.

    Mais:

    Rússia inaugura 'mega ponte' na Crimeia, e começa a construir outra
    Confira VÍDEOS da abertura do tráfego na Ponte da Crimeia
    'Crimeia é Rússia', embaixada russa responde a Washington sobre abertura da ponte
    Tags:
    jornalismo, explosão, Ponte da Crimeia, Crimeia, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik